14 Maio 2022, 00:21

Reino Unido reforça ajuda humanitária à Ucrânia com 53 milhões de euros

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 05 mai 2022 (Lusa) – O Reino Unido anunciou hoje um pacote 45 milhões de libras (53 milhões de euros) de ajuda humanitária à Ucrânia, sobretudo a mulheres e crianças, canalizado na maior parte através das agências e instituições da ONU. 


O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico disse que o apoio destina-se a pessoas mais vulneráveis afetadas pelo conflito, pelo que 15 milhões de libras (18 milhões de euros) serão destinados ao Fundo Humanitário da ONU para a Ucrânia (UHF), outros 15 milhões de libras para a UNICEF. 


Entretanto, 10 milhões de libras serão entregues a organizações na Moldova e outros países que estão a receber refugiados e cinco milhões de libras estão destinados à Cruz Vermelha. 


Estima-se que cerca de 16 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária na Ucrânia, para além dos mais de cinco milhões de refugiados chegaram aos países europeus desde o início do conflito.


Entretanto, o Governo britânico também tem previsto o envio de mais medicamentos e material de tratamento médico e produtos alimentares, como massa, arroz, enlatados e água engarrafada.


A chefe da diplomacia britânica, Liz Truss, defendeu a ajuda aos “mais vulneráveis na Ucrânia, particularmente mulheres e crianças, que enfrentam um risco maior de violência e exploração sexual”. 


No total, segundo o Governo, o Reino Unido já mobilizou 220 milhões de libras (260 milhões de euros) em apoio humanitário às vítimas do conflito.


A Rússia iniciou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia, que foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, a qual respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções económicas.


A ONU confirmou hoje que 3.238 civis morreram e 3.397 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.



BM // PDF


Lusa/Fim 


 

Sem comentários

deixar um comentário