04 Dezembro 2021, 11:10

Restaurantes enfrentam “novos problemas” com desconfinamento, diz a associação PRO.VAR

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 05 out 2021 (Lusa) – A associação de restaurantes PRO.VAR alertou hoje para que, com o desconfinamento, os estabelecimentos estão agora “confrontados com novos problemas”, como a falta de mão de obra ou novas necessidades de adaptação dos espaços.


“Com o regresso à normalidade, a lotação dos restaurantes deixou de existir e veem-se agora confrontados com novos problemas, falta de mão de obra, espaços que precisam de apresentar novas experiências, para responder às novas expectativas e exigências, de acordo com novos hábitos dos clientes”, pode ler-se num comunicado da PRO.VAR hoje enviado às redações.


Para a PRO.VAR — Associação Nacional de Restaurantes – Associação para Defesa, Promoção e Inovação dos Restaurantes de Portugal, “os problemas continuam” para a restauração.


“A verba a fundo perdido ‘Adaptar Turismo’, anunciada há dias pelo Governo, prevista para adaptação dos restaurantes às novas necessidades, é importante mas acaba por ser extremamente insuficiente”, considera a associação de restaurantes.


A insuficiência prende-se com a “subida abrupta do custo de remodelação dos espaços, a subida dos materiais de construção e mão de obra”, segundo a associação.


“Esta fragilidade reflete-se na maioria dos restaurantes que estão descapitalizados e sobre-endividados”, adverte a PRO.VAR, que relembra ainda o “regresso integral das obrigações fiscais” num momento “em que a faturação é normalmente mais baixa”.


Para os restaurantes, “é condição ‘sine qua non’ para a sobrevivência do setor que o Governo reforce as ajudas a estas empresas”.


“Os apoios deverão ser de vária ordem”, defende a associação, apontando a “verbas a fundo perdido” e ainda à “redução do IVA da restauração”.


A PRO.VAR estima que “os efeitos positivos da redução do IVA no pós-pandemia poderão ser semelhantes aos sentidos no pós-‘troika’, e defende que esta ajuda não é apenas direcionada aos restaurantes mas sim a toda a cadeia de valor”.


A associação defende ainda que a “conjugação entre a descida do IVA da restauração e a manutenção do programa IVAUCHER (com algumas adaptações), nos próximos dois anos, irá garantir uma justa redistribuição dos benefícios entre os clientes e restaurantes”.



JE // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário