24 Janeiro 2022, 10:45

Romance “O Plantador de Abóboras” do timorense Luís Cardoso vence prémio Oceanos 2021

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 08 dez 2021 (Lusa) – O romance “O Plantador de Abóboras” do escritor timorense Luís Cardoso, publicado em Portugal pela editora Abismo, venceu hoje o Prémio Oceanos 2021, organizado no Brasil e que destaca anualmente as melhores obras publicadas em língua portuguesa.


É a primeira vez que um autor de Timor-Leste vence o prémio.


A escolha foi anunciada numa cerimónia virtual pelo autor brasileiro Itamar Vieira Junior, que fez parte do júri que escolheu os três vencedores deste ano. 


“Este é um romance em que deixa muitas impressões em seus leitores. A primeira impressão está no poder da linguagem, e de nos lembrar que a língua portuguesa permanece viva e que ela ganhou densidade e profundidade em cada fração de terra onde é falada”, explicou Vieira Júnior.


Num vídeo exibido durante a divulgação da premiação, o escritor Luís Cardoso explicou que vive em Portugal, que nunca mais regressou ao seu país, mas contou que visitou Timor-Leste em 2001 com José Saramago e, enquanto estava lá, visitou um local que conhecia, que estava em ruínas por causa da crise que assolou o país, e lá conheceu uma mulher que inspirou o romance.


“Enquanto estava lá passou junto de mim uma senhora que começou a falar da história de Timor, e que começou a contar sua própria história (…) Ela estava ali para falar com as montanhas, foi para ali contar uma história para as montanhas, mas, ao mesmo tempo, fui-me apercebendo que a história que ela estava a contar não era para as montanhas, mas era para mim”, explicou Cardoso.


“Ela estava a contar 100 anos da história do Timor-Leste, três guerras sucessivas e, desde aquele dia, pus na minha cabeça que um dia havia de contar esta história num romance com uma voz feminina”, acrescentou o vencedor do Oceanos 2021.


Cardoso também explicou que o romance “O Plantador de Abóboras” traz esta voz feminina, de uma mulher que recebe o noivo que não vê durante 24 anos, durante a ocupação indonésia no Timor, e depois regressa. 


Segundo o vencedor do Oceanos 2021, as abóboras mencionadas no título e no romance funcionam uma metáfora sobre Timor-Leste, que ainda se sustenta da exploração de petróleo, mas precisa voltar a produzir e a plantar uma alternativa de riqueza sustentável.


O segundo lugar do Oceanos ficou com o romance “O Ausente”, do escritor e professor brasileiro Edmilson de Almeida Ferreira.


“De acordo com o júri final do prémio Oceanos, este é um livro que rompe as fronteiras entre a prosa e a poesia, resultado de um grande trabalho com a linguagem e com a inúmera possibilidade de subvertê-la”, destacou Manuel da Costa Pinto, jornalista e curador do prémio Oceanos.


O terceiro lugar ficou com o romance “O osso do meio” do autor português Gonçalo M. Tavares, que já havia vencido o prémio em duas ocasiões, em 2007, com o romance “Jerusalém” e, em 2011, com “Uma viagem à Índia”.


Falando sobre “O osso do meio”, a crítica literária e jornalista portuguesa Isabel Lucas explicou que a romance traz um texto duro, de muita contenção.  


“É um romance em que a partir da margem, do terror, põe o leitor numa posição de fragilidade mostrando um lado divergente daquilo que entendemos como humano”, destacou.


Já Gonçalo M. Tavares explicou também num vídeo exibido durante a divulgação dos vencedores do prémio que “O osso do meio” é um “livro sobre a questão da ressaca individual que fica sempre depois dos grandes acontecimentos violentos.”


O Oceanos tem coordenação geral da gestora cultural Selma Caetano, curadoria para os países africanos de língua portuguesa de Matilde Santos, curadora da Biblioteca Nacional de Cabo Verde; Manuel da Costa Pinto, para o Brasil, e de Isabel Lucas, para Portugal.


Na primeira etapa, um júri inicial, composto por 95 professores de literatura, críticos literários, escritores e poetas, leu e avaliou os 1.835 livros inscritos, publicados em dez países, para escolher os semifinalistas. Desse conjunto de 54 livros foram escolhidos os dez finalistas.


Participam no júri final a angolana Ana Paula Tavares, os brasileiros Itamar Vieira Junior, Julián Fuks, Maria Esther Maciel e Veronica Stigger, e os portugueses António Guerreiro e Golgona Anghel.


O valor total do prémio é de 250 mil reais (39,5 mil euros), sendo 120 mil reais (19 mil euros) para o primeiro colocado, 80 mil reais (12,6 mil euros) para o segundo e 50 mil reais (7,9 mil euros) para o terceiro.


O Oceanos conta com apoio da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo do Brasil, do Banco Itaú, do Instituto Cultural Vale, da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas de Portugal, do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, bem como com apoio institucional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, para além do apoio e governança do Itaú Cultural.


 


CYR // HB


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário