07 Fevereiro 2023, 11:51

Rússia, Irão, Coreia do Norte e China por detrás de ciberataques mais eficazes – Microsoft

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 04 nov 2022 (Lusa) – O nível de eficácia dos ciberataques por entidades estatais teve um aumento de 20% para 40% em apenas um ano, sendo os principais autores Rússia, Irão, Coreia do Norte e China, segundo um relatório hoje divulgado pela Microsoft.


O estudo da defesa digital da Microsoft, que cobre o período entre julho de 2021 e junho de 2022, revela que, desde fevereiro deste ano, assiste-se ao começo da “guerra híbrida”, marcada pelos ataques físicos e digitais da Rússia contra a Ucrânia.


Houve um aumento da eficácia dos ataques, devido principalmente aos avanços da Rússia na tentativa de destruição das infraestruturas da Ucrânia e espionagem aos países aliados, incluindo aos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha e Suíça.


A Rússia foi origem de 90 por cento dos ataques detetados no ano passado visando países da NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), sendo que 48% desses ataques comprometeram empresas de tecnologias de informação (TI), de acordo com o relatório da Microsoft.


Irão, Coreia do Norte e China foram também dos principais atores de ciberataques, tendo como objetivo a recolha de informação, interrupção de processos e serviços, roubo de criptomoedas ou destruição de dados e obtenção de receitas.


Entre julho de 2021 e junho de 2022, a Microsoft afirma ter bloqueado 37 mil milhões de ameaças por correio eletrónico e 34,7 mil milhões de ameaças de roubo de identidade. Os principais setores afetados pelos ataques detetados pela Microsoft são as TI, ONG e grupos de reflexão, educação, governos, finanças, meios de comunicação, serviços de saúde, transportes, organizações intergovernamentais e comunicações.


O relatório mostra também que continuam a aumentar os ataques de ‘ransomware’, um ‘software’ malicioso utilizado por cibercriminosos, e ‘phishing’ (roubo de dados).


Só no último ano, foram registados, por segundo, cerca de 921 ataques a ‘passwords’, um aumento de 74% face ao ano anterior. 


Muitos destes resultaram em ataques que afetaram setores como a indústria, saúde, retalho, educação, energia, finanças, governos e TI. 


Tal como os ataques de ‘ransomware’, as mensagens de correio eletrónico de ‘phishing’ também aumentaram, com a Microsoft a detetar cerca de 710 milhões destas mensagens bloqueadas por semana.


Apesar dos temas da covid-19 terem sido menos prevalecentes do que em 2020, a guerra na Ucrânia motivou novas estratégias de ‘phishing’, desde o início de março de 2022, com mensagens de correio eletrónico de organizações falsas solicitando doações em criptomoedas, alegadamente para apoiar cidadãos ucranianos.


O estudo da Microsoft teve com base mais de 43 triliões de sinais diários.



PRZ/PDF // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário