04 Julho 2022, 18:09

Rússia proíbe residentes de transferir divisas para o estrangeiro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Presidente russo, Vladimir Putin, ordenou hoje fortes medidas para apoiar o rublo, moeda que atingiu mínimos históricos em relação ao dólar e ao euro após as sanções ocidentais destinadas a punir a invasão da Ucrânia.

De acordo com um decreto publicado no sítio na Internet do Kremlin, os residentes na Rússia estão proibidos de transferir divisas para o estrangeiro a partir de terça-feira.

 

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Além disso, os exportadores russos terão de converter em rublos 80% das receitas em moeda estrangeira desde 01 de janeiro e continuar a manter um rácio de 80% de liquidez em rublos no futuro.

O anúncio destas medidas dramáticas surge numa altura em que a economia russa tenta reforçar as defesas contra as sanções anunciadas pelos países ocidentais em reação à invasão da Ucrânia por parte de Moscovo, iniciada na passada quinta-feira.

Ainda hoje, o Canadá proibiu as suas instituições financeiras de efetuarem “transações” com o Banco da Rússia para o impedir de utilizar as reservas cambiais internacionais e limitar a capacidade de Moscovo de financiar a guerra.

“Vamos continuar a trabalhar em estreita colaboração para responsabilizar a Rússia pela sua invasão injustificada da Ucrânia”, afirmou o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, que anunciou pela rede social Twitter que a proibição entrou em vigor “imediatamente” e que a decisão foi tomada “em coordenação” com os outros países do G7 (os mais industrializados do mundo).

Além disso, o Canadá impôs um congelamento de ativos e uma proibição de realizar operações com fundos soberanos de investimento russos.

A decisão dos canadianos segue-se às medidas anunciadas particularmente pelos Estados Unidos e a União Europeia, que anunciaram a exclusão de certos bancos russos do sistema de pagamento bancário internacional Swift e proibiram todas as transações com o Banco Central Russo.

Esta última medida visa neutralizar algumas das enormes reservas em moeda estrangeira que a Rússia acumulou nos últimos anos, especialmente a partir de receitas petrolíferas.

A venda de divisas estrangeiras é uma das principais ferramentas utilizadas pelos países que desejam sustentar a sua moeda nacional.

Porém, o rublo caiu hoje em relação ao dólar e ao euro na abertura dos mercados, atingindo mínimos históricos.

As sanções ocidentais já levaram o Banco Central russo a aumentar a taxa de juro em 10,5 pontos percentuais para 20%, de forma a conter a inflação.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de quase 500 mil refugiados para a Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Sem comentários

deixar um comentário