08 Outubro 2022, 21:51

Rússia sanciona Sean Penn, Ben Stiller e mais 23 cidadãos dos EUA

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Rússia aumentou hoje a sua lista de cidadãos norte-americanos cuja entrada no país está proibida, entre os quais os atores Sean Penn e Ben Stiller e mais 23, incluindo secretários e subsecretários governamentais e empresários.

“A proibição permanente de entrada na Rússia é imposta a um novo grupo de membros do Congresso dos Estados Unidos, altos responsáveis governamentais, empresários e especialistas, bem como a representantes da esfera da cultura (num total de 25 pessoas)”, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) russo em comunicado.

O MNE russo precisou que se trata de uma medida de resposta “às sanções contra cidadãos russos constantemente ampliadas pelo Governo do Presidente [dos Estados Unidos] Joe Biden”, por causa da invasão russa da Ucrânia.

Da lista, constam os nomes dos atores Sean Penn e Ben Stiller, que visitaram Kiev em abril e junho deste ano, respetivamente, e se reuniram com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Ambos declararam o seu apoio à Ucrânia, e Penn ameaçou inclusive destruir a sua estatueta do Óscar, prémio atribuído pela academia cinematográfica norte-americana, se esta não desse ao chefe de Estado ucraniano a oportunidade de intervir por videoconferência na cerimónia de atribuição dos prémios, anualmente vista por milhões de pessoas em todo o mundo.

Na lista negra de Moscovo foram igualmente incluídos a secretária do Comércio norte-americana, Gina Raimondo, os subsecretários do Comércio Matthew Axelrod, Don Graves, Thea Rozman Kendler e Jeremy Pelter, e ainda vários senadores democratas e republicanos, empresários e analistas políticos.

Os Estados Unidos, juntamente com a União Europeia, o Reino Unido, o Canadá e outros países, impuseram sanções à Rússia por esta ter iniciado há mais de seis meses uma ofensiva militar na Ucrânia, um Estado independente, que incluem tanto restrições a título pessoal como a proibição de negociar com empresas ou mesmo setores da economia russa.

 

 

 

Sem comentários

deixar um comentário