04 Julho 2022, 19:44

Rússia vai estudar possibilidade de troca de soldados do batalhão Azov feitos prisioneiros

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A Rússia vai estudar a possibilidade de trocar combatentes do batalhão ucraniano Azov feitos prisioneiros pelo deputado e milionário ucraniano pró-russo Viktor Medvedchuk, declarou hoje um negociador e parlamentar russo, Leonid Slutsky.

“Vamos estudar a questão”, afirmou Slutsky, membro da delegação russa nas mais recentes negociações com Kiev, citado pela agência noticiosa russa Ria Novosti, quando questionado sobre uma tal troca de prisioneiros.

Slutsky, que falava numa conferência de imprensa na cidade separatista de Donetsk, no sudeste da Ucrânia, adiantou que a possibilidade da troca será mencionada em Moscovo por “aqueles que têm as prerrogativas”.

Viktor Medvedchuk, de 67 anos e próximo do Presidente russo, Vladimir Putin, foi novamente preso em meados de abril na Ucrânia depois de ter fugido com o início da ofensiva militar russa em 24 de fevereiro.

Medvedchuk estava em prisão domiciliária desde maio de 2021 depois de ter sido acusado de “alta traição” e “tentativa de pilhagem de recursos naturais na Crimeia”, península ucraniana anexada pela Rússia em 2014.

Na sexta-feira, o Exército russo anunciou que os últimos defensores ucranianos da cidade estratégica de Mariupol, entrincheirados durante semanas no complexo siderúrgico Azovstal, tinham-se rendido. Entre eles estão membros do batalhão Azov, uma unidade ultranacionalista que o Kremlin considera neonazi, e que Kiev espera libertar em troca de prisioneiros russos.

Na próxima quinta-feira, o Supremo Tribunal russo deve analisar um pedido para classificar o batalhão Azov como uma “organização terrorista”, o que poderá complicar a troca de prisioneiros.

O líder dos separatistas de Donetsk, Denis Puchilin, disse hoje na mesma conferência de imprensa que os soldados ucranianos que defenderam a fábrica Azovstal e se renderam deveriam ser julgados.

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Sem comentários

deixar um comentário