18 Outubro 2021, 11:21

SEF, imigração e “genocídios da esquerda” em tarde de discursos no Congresso do Chega

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Coimbra, 29 mai 2021 (Lusa) – O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), a violência doméstica, as terapias alternativas de saúde e a tauromaquia foram esta tarde temas dos discursos dos delegados do Chega, no congresso que decorre este fim de semana em Coimbra.


O delegado Nélson Silva defendeu que o partido deve ser contra o desmantelamento do SEF, que a acontecer leva a que “Portugal seja o único país em que o serviço de fronteiras passará a ser um serviço de asilo”.


Na apresentação da sua moção “Em defesa do SEF”, o delegado considerou que “Portugal é uma autêntica fábrica de legalização de migrantes da Europa” e que já há mais “estrangeiros a receber nacionalidade portuguesa do que portugueses a nascer nas maternidades”.


“Muitos recebem nacionalidade portuguesa ao fim de um ano sem falarem uma palavra em português”, referiu o delegado, que defendeu um inquérito parlamentar à conduta do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, por causa da situação dos migrantes de Odemira e do desmantelamento do SEF.


A sua proposta incluiu ainda a defesa de um referendo às atuais políticas migratórias do país.


Na sua moção, o delegado Carlos Vila defendeu que deveria ser criado um novo feriado nacional, a 25 de novembro, para lembrar as vítimas de violência doméstica e mutilação genital.


O congressista propôs ainda a revisão das molduras penais para os crimes de mutilação genital feminina, que devem ter uma pena mínima de 10 anos de prisão para quem pratica e procede aos atos preparatórios, e a passagem do ato de violação a crime público.


Na primeira e única moção sobre saúde apresentada durante a tarde, António Ferreira começou a elogiar o Bloco de Esquerda por ter ajudado a terminar com a proibição de exercer acupuntura em Portugal.


O delegado do Chega defendeu uma estratégia para alterar a designação de terapias convencionais para medicinas complementares e uma estratégia para introduzir as medicinas complementares até 2023, que permitiria poupar “entre um terço a um quinto dos custos”.


“Isto é muito importante quando se quer resgatar um sistema nacional de saúde, porque ao contrário do que dizem o Chega quer revitalizar esse sistema, acabando com as filas de cirurgias e terapias não direcionadas”.


Às 17:55, os delegados estavam a ouvir a moção n.º 28 – no total são cerca de 80 – e foram muitos os temas levados à tribuna do III congresso do Chega, dos problemas dos professores à defesa da tauromaquia.


Amélia da Silva Soares alertou para os problemas na educação e avisou que, no futuro, podem “muito bem” vir a ser brasileiros e indianos a “lecionar em português” os filhos e os netos dos delegados.


E Pedro Frazão, que acusou a esquerda de, na história ter cometido os “maiores genocídios no mundo” e as “maiores alarvidades ambientes”, como aconteceu no tempo da URSS, que secou o Mar Aral, fez também a defesa da tauromaquia.


É, sintetizou, uma guerra “cidade-mundo rural”, e o Chega não se calará perante “os pides do gosto”, dizendo que “não podem impedir os portugueses de amarem os toiros”


“Como diz o povo, cá estaremos para pegar o touro pelos cornos”, prometeu.


Hoje é dia de debate e votação das moções setoriais, são algumas dezenas, mas a organização não as distribuiu aos jornalistas, e da moção global de Ventura, ficando a eleição dos órgãos nacionais para a manhã de domingo.



NS/AMV // ACL


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário