04 Julho 2022, 23:51

Senador nigeriano acusado no Reino Unido de tráfico de órgãos de criança

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um senador nigeriano e a sua mulher foram detidos e acusados hoje no Reino Unido, por alegadamente viajarem com um menor com o objetivo de lhe extrair os órgãos, divulgou a polícia britânica.

Ike Ekweremadu, senador distrital e advogado, de 60 anos, e a sua mulher, Beatrice Nwanneka Ekweremadu, de 55 anos, foram acusados de conspiração para organizar ou facilitar a viagem de outra pessoa com o objetivo de exploração, “ou seja, extração de órgãos”.

Os dois suspeitos foram presentes ao Tribunal de Uxbridge, no oeste de Londres, noticiou a agência Associated Press (AP).

Na audiência, confirmaram que residem na Nigéria e foram mantidos sob detenção até serem presentes novamente em tribunal, em 07 de julho, noticiou a televisão britânica BBC.

A Polícia Metropolitana referiu que a criança foi levada para um local seguro.

A força policial acrescentou que os detetives iniciaram uma investigação depois de terem sido alertados para um possível crime de escravidão em maio.

Ike Ekweremadu foi recentemente nomeado professor visitante na Universidade de Lincoln, no norte da Inglaterra.

Um porta-voz da universidade disse que os professores visitantes “são muitas vezes, como neste caso, não residentes na universidade, não remunerados e consultivos”.

“Estamos profundamente preocupados com a natureza dessas alegações, mas como esta é uma investigação policial ativa, não podemos comentar mais nesta fase”, acrescentou o porta-voz da universidade.

Sem comentários

deixar um comentário