26 Novembro 2021, 23:32

Sete ex-membros das Brigadas Vermelhas italianas detidos em França

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 28 abr 2021 (Lusa) – Sete antigos membros das Brigadas Vermelhas italianas, condenados em Itália por atos de terrorismo cometidos nos anos 1970 e 1980, foram detidos hoje em França a pedido do Governo de Roma, anunciou a presidência francesa.


Outros três elementos das Brigadas Vermelhas são procurados em França.


No total, o Executivo italiano pediu a detenção e extradição de 10 pessoas.


A decisão de transmitir à Justiça “os pedidos italianos, que originalmente diziam respeito a 200 indivíduos” foi tomada diretamente pelo presidente Emmanuel Macron.


Em termos judiciais o assunto enquadra-se na “Doutrina Miterrand” que usa o nome do antigo chefe de Estado francês que concedeu asilo político em França aos membros das Brigadas Vermelhas que não cometeram crimes de sangue.  


A extradição dos ativistas de extrema-esquerda refugiados em França “após os anos de chumbo”, entre 1968 e 1982, é um pedido antigo de Itália que as autoridades francesas têm recusado. 


A elaboração da lista com os 10 nomes é resultado “de um importante trabalho bilateral de preparação” que se prolongou durante vários meses e que diz respeito aos autores de “crimes mais graves”, sublinha a nota do Palácio do Eliseu. 


“O Presidente queria resolver este assunto que a Itália vinha a pedir há vários anos (…). A França também foi afetada pelo terrorismo e entende que as vítimas precisam que se faça justiça”, acrescenta o mesmo documento. 


A Justiça francesa deve pronunciar-se em breve sobre a extradição dos detidos.


Nas próximas 48 horas, os antigos elementos das Brigadas Vermelhas devem ser presentes ao Tribunal de Recurso de Paris para que um juiz decida a extradição ou a libertação sob supervisão judicial. 


O assunto ressurgiu depois da captura de Cesare Battisti, membro das Brigadas Vermelhas, capturado em janeiro de 2019 na Bolívia e que viveu durante quase 40 anos em França e no Brasil.


Na altura da detenção de Battisti, o então ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, afirmou que “a França acolheu durante vários anos assassinos que mataram inocentes” tendo pedido a extradição “de 15 terroristas italianos, que tinham sido condenados” mas que “levavam uma boa vida” em território francês.


 


PSP // SB


Lusa/Fim


 


 


 


 

Sem comentários

deixar um comentário