08 Dezembro 2021, 13:14

Sindicato alerta para excesso de trabalho de motoristas de TVDE para “subsistirem”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

CORREÇÃO: Lisboa, 25 fev 2021 (Lusa) — O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) alertou hoje para a existência de motoristas de TVDE a trabalharem quase 17 horas por dia para “subsistirem”, defendendo que as comissões deviam ser “isentas de impostos”.


Fernando Fidalgo, dirigente sindical do STRUP, falava à margem de uma vigília de trabalhadores de Transportes em Veículos Descaracterizados a Partir de Plataforma Eletrónica (TVDE) junto ao Ministério do Ambiente e Ação Climática, em Lisboa.


Devido ao contexto pandémico, a ação de luta juntou apenas sete motoristas, que seguravam dois cartazes com as inscrições: “Lei 45/2018 mata TVDE” e “Os trabalhadores dos TVDE rejeitam a escravatura digital”.


“O nosso caderno reivindicativo tem 14 pontos, mas nós neste momento entendemos que é extremamente urgente resolver três situações”, adiantou Fernando Fidalgo em declarações à agência Lusa, enumerando as prioridades relativas ao tarifário, custos de atividade e isenção de comissões.


De acordo com o sindicalista, foi apresentada à Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) “documentação que justifica que os preços que estão a ser praticados pelas plataformas não respeitam os custos da atividade que os parceiros têm”, reforçando que é “necessário retificar esta situação”.


“Em relação às comissões atribuídas aos motoristas, nós entendemos que estas comissões têm de ser isentas de impostos”, indicou.


Sobre os custos de atividade, Fernando Fidalgo considerou que o início de uma viagem deve ser contando “a partir do momento em que o motorista recebe o trabalho e não a partir do momento em que o cliente entra no carro”.


“Há situações muito diferentes, porque muitas vezes o trabalhador tem de se deslocar 5/10 quilómetros para ir buscar o cliente e este trajeto não lhe está a ser pago”, referiu.


Segundo o dirigente da STRUP, a lei 45/2018 define que o trabalho se inicia desde a marcação do cliente à deslocação pretendida.


Aquela que ficou conhecida como a ‘lei Uber’ estabeleceu, pela primeira vez em Portugal, um regime jurídico aplicável à atividade de TVDE.


A lei 45/2018, que regulamenta as plataformas eletrónicas de transporte em veículos descaracterizados, entrou em vigor em 01 de novembro, depois de longos meses de discussão parlamentar e da contestação do setor do táxi.


O diploma permitiu um período transitório de quatro meses de adaptação aos operadores de plataformas. Neste momento, operam em Portugal a Uber, Bolt e Free Now, esta última criada a partir da MyTaxi (serviço de transporte em táxis através de uma aplicação de telemóvel) e que integra também os TVDE da antiga Kapten.


Fernando Fidalgo explicou ainda que uma das maiores preocupações do setor se prende com a ausência de regulamentação na defesa do trabalho dos trabalhadores.


“As pessoas, neste momento, para subsistirem trabalham 15/17 horas e isto não se compadece, até porque a lei define que o período máximo semanal seja de 40 horas, portanto, se os trabalhadores, na situação pandémica em que estamos, apenas trabalhassem oito horas por dia não tinham como substituir”, realçou, acrescentando que há cerca de 28.000 licenças autorizadas a laborar em Portugal.


Questionado sobre a escolha do local para realizar a vigília, o sindicalista explicou que teve a ver com o facto de não ter sido marcada uma reunião com o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, na sequência de uma ação de luta dos motoristas realizada em 06 de novembro de 2020.


Cerca de 500 motoristas TVDE concentraram-se, na altura, na zona do Parque das Nações, em Lisboa, para uma marcha lenta de carro com o objetivo de pedir ao Governo um conjunto de alterações à lei que regula o setor.


“Sabemos que hoje vamos ser recebidos por dois assessores da secretaria de Estado [da Mobilidade], nós vamos reunir com os assessores, mas o nosso objetivo não é reunir com assessores, o nosso objetivo é reunir com o secretário de Estado ou com o ministro da tutela”, ressalvou.


À Lusa, fonte do Ministério do Ambiente e da Ação Climática disse que a tutela está ao corrente das reivindicações dos sindicatos, confirmando que seriam recebido por dois adjuntos do secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro.



JML (TYS/RCP) // VAM



Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário