09 Setembro 2022, 06:56

Sindicato da CGD denuncia encerramento de mais 23 agências do banco em Portugal

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 12 ago 2022 (Lusa) — O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC) anunciou hoje que a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) pretende “encerrar mais 23 agências em Portugal continental” neste mês.


“O STEC teve conhecimento que a administração da CGD, após o recente anúncio do vultuoso lucro de 486 milhões [de euros], no primeiro semestre de 2022, decidiu cortar ainda mais nos custos e encerrar mais 23 balcões, no decorrer do corrente mês de agosto, com maior incidência nas regiões de Lisboa e Porto”, refere o sindicato em comunicado hoje enviado às redações.


O sindicato assinala que se “desconhecem os motivos” para esta intenção, e que a vontade em “reduzir despesas” carrega a “desvalorização da capacidade da CGD enquanto banco público”, apontando que há “um inevitável congestionamento dos restantes balcões dessas áreas”.


De igual forma, o STEC sublinha que desde 2012 já houve o “decréscimo” de 3.300 trabalhadores e o encerramento de “mais de 300 agências” da Caixa em Portugal.


Para o sindicato, tal representa “um número avassalador” e a “entrega de ‘bandeja’ de negócio rentável e lucrativo aos bancos privados, perdendo-se, com isto, centenas, ou mesmo milhares, de clientes particulares e empresariais”.


Por isso, o STEC insta o Governo a não se “demitir da sua responsabilidade” na coesão territorial.


“Neste cenário de claro abandono da CGD de vastas e povoadas zonas do país, o Governo não se pode demitir da sua responsabilidade no que respeita à coesão territorial de que tanto fala, mas que depois deixa ao livre-arbítrio de decisões de gestão, que neste caso e lamentavelmente até são de caráter público”, insiste o sindicato no documento.


“Não basta apregoar a defesa da CGD como Banco Público e receber as centenas de milhões de dividendos gerados pelo esforço dos seus trabalhadores, é fundamental que o Estado defina as orientações estratégicas que o banco deve assumir”, acrescenta o documento.


Contactada pela Lusa, a CGD ainda não respondeu ao pedido de comentário a esta situação.



JO // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário