24 Dezembro 2022, 11:11

Sobe para onze o número de mortos após a tempestade na ilha de Ischia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Madrid, 01 dez 2022 (Lusa) — Mais três corpos foram encontrados sob escombros após as fortes chuvas que caíram na semana passada na ilha italiana de Ischia, subindo para 11 o total de mortos, segundo o balanço feito hoje pelos serviços de emergência italianos.


Os bombeiros localizaram os corpos de dois homens e uma mulher, restando apenas uma pessoa desaparecida, identificada como Maria Teresa Arcamone, segundo a agência de notícias AdnKronos.


Entre as últimas vítimas está a mãe de três crianças que também morreram devido ao temporal.


Os serviços de busca trabalham incansavelmente e é provável que ocorra um novo agravamento do tempo, em princípio a partir desta sexta-feira. As autoridades não descartam que haja novas retiradas de pessoas, depois de mais de 200 pessoas terem abandonado as suas casas no passado fim de semana.


Citado pela cadeia de televisão RAI, o ministro da Proteção Civil italiano, Nello Musumeci, confirmou que cinco pessoas ficaram feridas em Ischia e, destas, uma ainda está em estado grave.


O ministro também explicou que as escolas da região permanecerão encerradas por pelo menos mais alguns dias.


A ilha de Ischia, voltada para o Golfo de Nápoles, registou chuvas torrenciais na noite da sexta-feira passada que causaram inundações e um deslizamento de terra com grande impacto na área do município de Casamicciola Terme.


Uma parte do monte Epomeo cedeu e atingiu várias casas, que estão a ser revistadas com grande esforço e dificuldade por equipas de emergência, reforçadas com unidades vindas de Nápoles e de outros pontos, e das Forças Armadas.


Os corpos estão a ser depositados na funerária do hospital Rizzoli, na cidade vizinha de Lacco Ameno, em Ischia.


Nas buscas foram usados cães para procurar sinais de vida sob os escombros, enquanto um barco da Guarda Costeira patrulha a costa, para onde vários carros e até autocarros foram arrastados.



CSR//CFF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário