27 Setembro 2022, 19:21

Sociedade de Pneumologia aconselha asmáticos a reforçar terapêutica SOS

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Sociedade Portuguesa de Pneumologia aconselhou hoje os doentes asmáticos a minimizarem a exposição ao ar livre por causa das poeiras vindas do Saara, cumprir a medicação e, em caso de terapêutica de SOS, reforçar a utilização.

Em comunicado, a Comissão de Trabalho de Alergologia Respiratória da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) diz ainda que, em caso de agravamento das queixas respiratórias com má resposta às terapêuticas, os doentes devem entrar em contacto com os cuidados de saúde (local habitual de seguimento ou a Linha Saúde 24 – 808 24 24 24), acrescenta.

Na nota, a SPP recorda que face às recentes alterações do ar atmosférico verificado em Portugal e dada a potencial influência desse fator na saúde respiratória da população, deve-se minimizar a exposição e o exercício ao ar livre e evitar “a exposição a fatores desencadeantes dos sintomas e/ou irritantes brônquicos – pós, fumo de tabaco ou outros, produtos irritantes, alérgenos específicos”.

“Devem-se evitar esforços prolongados, particularmente se atividade física ao ar livre”, acrescenta a SPP.

A Comissão de Trabalho de Alergologia Respiratória da SPP reforça ainda a importância do controlo da asma e da rinite e da “não existência/aceitação de sintomas persistentes, limitação funcional nem agudizações”, fatores que considera “ainda mais determinantes numa altura de maior risco inalatório”.

Por causa da fraca qualidade do ar decorrente da massa de ar proveniente dos desertos do norte de África, que transporta grande quantidade de poeiras em suspensão, a Direção-Geral da Saúde (DGS) recomendou na terça-feira à população que evite esforços prolongados e limite atividade física ao ar livre.

Numa recomendação publicada na sua página na internet, a DGS aconselha ainda a evitar exposição a fatores de risco, como fumo de tabaco ou contacto com produtos irritantes.

Segundo a DGS, as partículas inaláveis transportadas pela massa de ar têm efeitos na saúde humana, principalmente na população mais sensível, crianças e idosos, que sempre que possível devem ficar em casa e com janelas fechadas. O conselho aplica-se, por exemplo, a pessoas com problemas respiratórios crónicos, como asma, e doentes do foro cardiovascular.

A situação de fraca qualidade do ar, para a qual a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) já tinha alertado, deverá manter-se até quinta-feira.

Sem comentários

deixar um comentário