06 Dezembro 2021, 00:16

Sonae admite ser “inevitável” aumento de custos devido à subida do preço dos combustíveis

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Vila Nova da Rainha, Azambuja, Lisboa, 14 out 2021 (Lusa) – O administrador da Sonae MC Miguel Águas afirmou hoje que “é inevitável” que haja aumentos de custos ao longo da cadeia devido à subida do preço do combustível, mas trabalha para que “impacto não seja sentido pelos clientes”.


O responsável falava aos jornalistas à margem da inauguração do novo edifício do Centro de Distribuição da Sonae MC, hoje, na Azambuja, que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sendo o maior entreposto refrigerado em Portugal.


Questionado sobre o aumento dos combustíveis, Miguel Águas referiu que “obviamente […] impacta os custos de transporte de mercadorias” para a lojas da Sonae e dos seus concorrentes.


“Nós temos bastante confiança e sabemos que somos especialmente eficientes, aliás, este entreposto traz maior eficiência da operação e, portanto, até estamos mais salvaguardados, mais protegidos do impacto dessa crise”, prosseguiu o administrador.


“Mas é inevitável que haja aumentos de custos ao longo da cadeia e, portanto, a prazo, essa crise pode levar até que o setor como um todo acabe por ter impactos ou na sua conta exploração ou impacto no custo dos próprios produtos para os consumidores”, considerou.


Já sobre se considera que o Governo deveria intervir nesta matéria, Miguel Águas foi perentório: “A Sonae não quer imiscuir-se no que o Governo deve ou não fazer”.


No entanto, “preocupa-nos e pelo nosso lado trabalhamos para que o impacto não seja sentido pelos clientes e, por isso, também este investimento serve também para dar resposta a essa eficiência que temos de trazer do nosso lado”, acrescentou.


A Sonae MC anunciou hoje um investimento de 50 milhões de euros na expansão dos centros de distribuição da Azambuja, Lisboa, e da Maia, no Porto, que avança no próximo ano


Relativamente a uma manifestação organizada por dirigentes e ativistas do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), que aproveitaram a inauguração para exigir melhores salários e carreiras para os trabalhadores do setor, não quis tecer comentários.


“Não vou abordar o que se passava lá fora, nem sequer era com colaboradores nossos”, referiu.


Sobre o projeto hoje inaugurado, o administrador disse que “trouxe uma enorme preocupação e houve investimento fortíssimo na melhoria da ergonomia das funções fisicamente mais exigentes”.


“Há bastante tecnologia nova que está aqui ao serviço de funções que antes eram levadas a cabo por pessoas com esforço físico, há muita melhoria em zonas sociais, de refeitório, de pausa, e todo o entreposto e todo o equipamento foi montado com o que de mais moderno há justamente para trazer também mais conforto” aos trabalhadores e às condições de trabalho, afirmou.


No edifício trabalham 450 pessoas e no polo, como um todo, são cerca de 1.100.


Questionado sobre se o Orçamento do Estado apresentado esta semana é amigo do investimento, o gestor garantiu que a empresa irá continuar a investir.


“Nós continuamos a investir na Sonae MC, continuaremos a investir sempre, independentemente das condições que venham do Orçamento do Estado, aliás, ainda agora foi referido justamente isso: nós mesmo num contexto adverso como foi da covid realizámos este investimento e é assim que vamos continuar”, concluiu.


A Sonae MC tem mais de 1.000 lojas, entre Continente, Continente Modelo, Continente Bom Dia, Continente ‘Online’, Meu Super, Go Natural e Bagga.


No que se refere à logística, a empresa conta com cinco entrepostos, onde trabalham 2.500 colaboradores.


Anualmente, são circuladas nestes espaços 300 milhões de caixas, que são entregues a 1.300 lojas em Portugal.



ALU/(PE) // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário