07 Julho 2022, 05:43

STCP Serviços esteve sem atividade desde 2012 até pelo menos meio do ano passado

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Porto, 06 fev 2022 (Lusa) – A STCP Serviços, subsidiária da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) que poderá vir a gerir várias infraestruturas no município portuense, esteve sem atividade desde 2012 até pelo menos meio do ano passado, não tendo recursos humanos.


“A STCP Serviços encontra-se, desde março de 2012, sem atividade operacional, não dispondo de recursos humanos nem ativos fixos tangíveis ou intangíveis”, pode ler-se no Relatório e Contas Consolidadas da STCP do primeiro semestre de 2021, enviado no dia 30 de setembro à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).


No documento, a STCP Serviços, cuja designação completa é STCP Serviços — Transportes Urbanos, Consultoria e Participações, Unipessoal Lda, é descrita como sendo uma “sociedade unipessoal por quotas, cujo capital é detido na totalidade pela STCP”.


“Tem como objeto principal a prestação de serviços de transportes turísticos em autocarro ou carro elétrico e a comercialização de viagens ou outros produtos turísticos”, pode também ler-se no documento.


O executivo da Câmara do Porto votará na segunda-feira a delegação de competências à STCP Serviços relacionadas com a mobilidade e gestão de infraestruturas auxiliares ao transporte público, como a gestão do Intermodal de Campanhã.


Entre as competências a delegar, destaca-se a exploração e gestão do Terminal Intermodal de Campanhã, do Terminal das Camélias e do Terminal do Bom Sucesso, património que se “mantém na esfera jurídica do município do Porto”.


A par destas infraestruturas, é também confiada à empresa “a realização de todos os estudos necessários para a operacionalização” do ramal da Alfândega com um sistema de transporte público compatível com a utilização do canal para modos suaves.


A gestão dos parques de estacionamento da titularidade da Câmara do Porto, nomeadamente da Trindade, do Duque de Loulé, dos Caminhos do Romântico e da Viela do Anjo, será também colocada “à disposição” da STCP Serviços.


Já nos parques de estacionamento explorados por operadores privados, como o da Ribeira, Palácio da Justiça, Praça de Lisboa, Praça Gomes Teixeira, Praça Carlos Alberto, Praça D. João I e Avis, Castelo do Queijo e Adelino Amaro da Costa, a STCP Serviços ficará com a função de “gestor contratual”.


Apesar da ausência de atividade desde 2012 na STCP Serviços, no ano passado registou-se uma mudança na gerência da empresa, que entre janeiro de 2018 e julho de 2021 foi liderada pela vogal executiva da STCP Isabel Botelho Moniz.


A partir de 08 de julho de 2021, segundo o documento, o cargo passou a ser exercido diretamente pelo presidente executivo da STCP, Manuel Queiró, antigo presidente da CP e deputado do CDS-PP.


O capital e participações sociais da STCP foram transferidos do Estado para os municípios do Porto (53,69%), Vila Nova de Gaia (12,04%), Matosinhos (11,98%), Maia (9,61%), Gondomar (7,28%) e Valongo (5,4%).


A Lusa questionou a STCP e a Câmara do Porto acerca da atividade da STCP Serviços e matérias financeiras relacionadas com o tema e aguarda resposta.



JE // MSP


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário