04 Fevereiro 2023, 06:41

Subida dos preços do carbono pode provocar falências em cadeia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Frankfurt, Alemanha, 26 jul 2022 (Lusa) – O Banco Central Europeu (BCE) adverte que um aumento do preço do carbono pode levar à falência de empresas em cadeia.


Um relatório, produzido em conjunto com o Comité Europeu do Risco Sistémico (CERS) e publicado hoje, afirma que, num cenário de transição desordenada em que há um aumento imediato e substancial dos preços do carbono, as perdas de mercado para as seguradoras e fundos de investimento, respetivamente, poderiam atingir 3% e 25% de ativos submetidos a testes de stress a curto prazo.


Mas uma transição ordenada para emissões zero em 2025 poderia suavizar o impacto e aliviar os efeitos nas empresas e bancos, reduzindo a probabilidade de falências das empresas entre 13% e 20% em 2050 em comparação com as atuais políticas climáticas.


Os bancos também teriam menos perdas com empréstimos a essas empresas.


Eventos climáticos graves põem em risco a estabilidade financeira.


O relatório identifica vários amplificadores de risco climático no sistema financeiro.


Os riscos de transição podem ser ampliados pelas ligações económicas e financeiras entre bancos e empresas.


Por exemplo, o BCE acrescenta, “um aumento dos preços do carbono poderia aumentar a probabilidade de que o fracasso de uma empresa conduza ao fracasso de outra”.


Embora isto afete as empresas que emitem muito mais carbono, pode também atingir outras empresas que emitem menos.


Os riscos climáticos podem alastrar através do sistema financeiro no caso de uma transição verde desordenada.


Além disso, os fundos de investimento, fundos de pensões e seguradoras poderiam sofrer perdas no mercado financeiro se os preços dos riscos climáticos forem ajustados.


Este ajustamento de preços poderia levar à falência de muitas empresas e criar perdas de crédito para os bancos.


As inundações, secas ou incêndios podem levar a um ajustamento dos preços dos riscos climáticos e a que os bancos vendam rapidamente ativos expostos ao mesmo tempo a preços distorcidos.



MC // MSF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário