09 Dezembro 2022, 22:47

Teatro Nacional de São Carlos com portugueses em destaque nos primeiros meses do ano

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 04 jan 2021 (Lusa) — A programação de janeiro e fevereiro no Teatro Nacional de São Carlos (TNSC), em Lisboa, inicia-se na quinta-feira com um recital para canto e piano e tem uma forte presença de compositores portugueses, foi hoje anunciado.


Num comunicado hoje divulgado, dois dias depois do Concerto de Ano Novo, o TNSC destaca que “os primeiros dois meses do ano de 2021 são marcados pela forte presença de compositores portugueses nos programas de câmara, sinfónicos, coral-sinfónicos e na ópera — que regressa em fevereiro — com ‘Trilogia das Barcas’, de Joly Braga Santos”.


Na programação do primeiro bimestre de 2021, “o grande destaque” é a ópera “Trilogia das Barcas”, de Joly Braga Santos, a partir da obra de Gil Vicente. A ópera será apresentada dos dias 09 e 11 de fevereiro, “em versão de concerto, com um elenco português, Coro TNSC, Orquestra Sinfónica Portuguesa e direção musical de Joana Carneiro”.


Esta ópera estreou-se em 1970 e esta será “a segunda vez que é apresentada em São Carlos”.


Embora o grande destaque esteja marcado para fevereiro, a programação do primeiro bimestre arranca na quinta-feira, com um recital para canto e piano, “por ocasião dos 150 anos do nascimento de Francisco de Lacerda [musicólogo e compositor], com Sara Braga Simões e João Paulo Santos”.


No dia 14, é apresentado “Des Knaben Wunderhorn”, de Mahler, com Ana Quintans e Luís Rodrigues como solistas, com direção musical de Joana Carneiro, “reeditando um programa apresentado com grande sucesso em outubro, em Almada”.


Em 28 de janeiro, Susana Gaspar e Nuno Vieira de Almeida apresentam um recital de canto e piano, “a partir da obra de Fernando Lopes-Graça, em particular do universo poético português do compositor”.


No dia seguinte, dia 29, o TNSC acolhe um concerto sinfónico, com obras de Joly Braga Santos, Luís Freitas Branco e Arnold Schönberg, dirigido por Pedro Neves.


Ainda em janeiro, no dia 10, o TNSC ‘desloca-se’ ao Centro Cultural de Belém, também em Lisboa, para apresentar “Il Natale Augusto”, de António Leal Moreira, pelo Coro do TNSC e pela Orquestra Sinfónica Portuguesa com um elenco de solistas portugueses. A peça a ser apresentada no CCB, com direção musical de João Paulo Santos, foi “encomendada por ocasião do nascimento da princesa Maria Teresa, em 1793, que trouxe a Portugal Luísa Todi para o papel principal”.


Já em fevereiro, no dia 04, os Solistas de Lisboa (Helena Lima, Pedro Meireles, António Figueiredo, Samuel Barseguian, Cândida Oliveira e Joana David) apresentam um programa com obras de Beethoven, Brahms e Prokofiev.


Para dia 15 está programado o concerto para famílias “Entrudo o vento levou”, a partir de “As canções do senhor Blue”, de Rosenthal, para piano e vozes e com criação e texto de Mário João Alves.


No dia 18 arranca o ciclo “Um Cancioneiro Português — Um caminho entre poesia e música”, “que deambulará pelos séculos XIX e XX”.


“Mensalmente, dois cantores e um piano, em ambiente íntimo, darão corpo a programas ordenados segundo uma vaguíssima lógica de ideias, escolas ou personalidades poéticas”, explica o TNSC.


A programação do primeiro bimestre termina no dia 27 de fevereiro, com o pianista Artur Pizarro e a Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob direção musical de Joana Carneiro, a interpretar uma obra do pianista e compositor Armando José Fernandes. O programa deste dia inclui, ainda, uma peça de Bartók.


Além disso, nos dias 21 de janeiro e 25 de fevereiro, o TNSC volta a acolher concertos do Festival CriaSons, “neste caso, dedicados aos compositores Carlos Azevedo / Luís Salgueiro (compositor emergente) e Tiago Derriça / João Fonseca e Costa (compositor emergente), respetivamente”.



JRS // TDI


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário