24 Janeiro 2022, 11:42

Terras de tribo isolada invadidas para a produção de carne no Brasil – ONG

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 30 nov 2021 (Lusa) — Terras de uma das tribos isoladas mais vulneráveis ??do mundo, os Piripkura que vivem no estado brasileiro do Mato Grosso, estão a ser ilegalmente invadidas e destruídas para a produção de carne, denunciou hoje a Survival International.


A organização não-governamental divulgou novas fotos de um sobrevoo na região onde vive esta etnia de indígenas isolados e que revelaram uma fazenda ilegal e também expôs a violação de uma Ordem de Proteção à Terra de 6 meses emitida em setembro pelas autoridades do Brasil, que proibiu a entrada de todos os forasteiros na Terra Indígena Piripkura.


Oficialmente, sabe-se que dois membros da tribo Piripkura vivem no território, embora se acredite que outros indígenas também vivam na área, tendo-se retirado para as profundezas da floresta depois de vários Piripkura terem sido mortos em massacres.


Segundo a Survival International, as imagens da fazenda ilegal foram feitas num sobrevoo realizado no mês passado para a campanha “Não Contactados ou Destruídos”, organizada pela ONG em parceria com a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazónia Brasileira (COIAB), o Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Não Contactados e Recentemente Contactados (OPI), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e o Instituto Socioambiental (ISA).


A campanha acaba de divulgar um relatório chamado “Piripkura: um território indígena sendo destruído para a produção de carne” que mostrou que o desflorestamento para a pecuária agora alcançou uma área onde os Piripkura vivem.


“Estradas, cercas e até mesmo uma pista de aterragem foram construídas e centenas de bois foram trazidos para o local. A taxa de desflorestação no território explodiu em mais de 27.000% nos últimos dois anos”, destacou a ONG.


A OPI também divulgou um relatório sobre a invasão das terras indígenas, que revelou que os Piripkura são agora o território indígena não contactado mais desflorestado do Brasil, com mais de 12.000 hectares destruídos.


A única piripkura contactada, uma mulher conhecida como Rita, disse recentemente à Survival International que há estranhos a operarem ilegalmente dentro do território que estão a ameaçar o seu povo e contou que nove de seus parentes foram massacrados num ataque.


 “Não poderia haver maior prova da impunidade total – na verdade, apoio ativo – que os invasores de terras desfrutam no [Governo do] Presidente [do Brasil, Jair] Bolsonaro do que isto: operações de pecuária comercial num território indígena de vital importância que é supostamente protegido por lei”, denunciou Sarah Shenker, chefe da campanha Tribos Não Contactadas da Survival International.


“Os invasores estão a aproximar-se rapidamente dos indígenas isolados Piripkura. Eles [indígenas] estão resistindo com todas as suas forças e nós também devemos. Somente um grande clamor público pode impedir o genocídio dos Piripkura e de outras tribos isoladas”, concluiu.


O Brasil tem sido alvo de críticas devido à política ambiental adotada pelo atual Governo, que defende a exploração comercial de terras na Amazónia, e tem falhado na proteção de reservas indígenas.


Entre agosto de 2020 e julho de 2021 a área destruída na Amazónia brasileira totalizou 13.235 quilómetros quadrados, de acordo com números oficiais divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).



CYR // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário