09 Setembro 2022, 08:11

Três feridos graves em capotamento de carro de bombeiros em Celorico da Beira

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O capotamento de uma viatura dos bombeiros de Loures na zona de Celorico da Beira (Guarda), durante o combate ao incêndio que começou no sábado na Covilhã, provocou três feridos graves e dois ligeiros, disse hoje a Proteção Civil.

“Infelizmente, temos um acidente com um veículo de combate a incêndios de Loures, um capotamento lateral, com três feridos graves e dois ligeiros. Os feridos foram todos retirados para as unidades hospitalares da Guarda e de Viseu”, afirmou o segundo comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Miguel Cruz.

O incêndio, que lavra desde sábado nos concelhos da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e de Manteigas, e que na tarde de quarta-feira passou também para os concelhos de Gouveia e da Guarda, chegou hoje, a meio da manhã, ao concelho de Celorico da Beira.

Segundo Miguel Cruz, o acidente ocorreu no concelho de Celorico da Beira, no distrito da Guarda, que era ao final da tarde “a zona mais complicada” do teatro de operações.

“Vamos continuar a trabalhar para conjugar todas as oportunidades da noite e continuar a fazer um esforço para o mais cedo possível poder debelar o incêndio, tendo em linha de conta, sempre, a segurança dos profissionais e das populações”, salientou.

Na conferência de imprensa, o segundo comandante nacional da ANEPC relatou que a tarde “foi de muito trabalho” devido, sobretudo, à orografia e ao vento que “provocaram preocupações”.

Para as próximas horas e noite, Miguel Cruz disse que se espera “alguma redução da intensidade do vento”, sendo expectável que haja “oportunidades para poder vir a controlar” o fogo.

“Temos que ser cautelosos”, ressalvou.

Segundo o ‘site’ da ANEPC, às 20:15 estavam a combater as chamas 1.579 operacionais, apoiados por 492 viaturas e cico meios aéreos.

Sem comentários

deixar um comentário