14 Maio 2022, 09:20

Três polícias feridos em motim em centro de detenção na Venezuela

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Caracas, 02 mai 2022 (Lusa) — Uma organização não-governamental (ONG) venezuelana disse que três polícias ficaram feridos num motim ocorrido no domingo no centro de detenção policial de Los Guayos, a 160 quilómetros a oeste de Caracas.


Os três polícias foram sequestrados por 47 dos 251 detidos no Centro de Coordenação Policial de Carabobo (CPC), da Polícia Nacional Bolivariana (PNB), onde protestaram contra a sobrelotação do estabelecimento e a falta de assistência médica, na sequência da morte de um dos presos, indicou a ONG Observatório Venezuelano de Prisões (OVP) de defesa dos direitos dos presos.


Os polícias feridos, um dos quais com vários traumatismos, foram já transportados para o Hospital Enrique Tejera, acrescentou.


Na origem do protesto esteve a morte do detido Samuel Falas, por alegadamente não ter recebido assistência médica no CPC.


Fontes policiais disseram que os detidos “exigem respeito pelos seus direitos e serem transferidos para outras prisões”.


As autoridades tinham iniciado a transferência de 72 detidos para o estabelecimento de Tocuyito, a 25 quilómetros a sul, com familiares a exigir informações sobre o estado de saúde dos detidos e, em alguns casos, sobre o local onde se encontram, indicaram.


“A Venezuela tem uma capacidade para 20 mil presos e há cerca de 32 mil nas prisões, enquanto nos centros de detenção policiais contam-se perto de 35 mil detidos”, de acordo com a diretora da OVP, Carolina Giron.


Nos calabouços de Los Guayos, “estão 251 detidos e a estrutura tem cinco calabouços para um máximo de 40 pessoas”, disse Giron à agência de notícias France-Presse.


O Governo de Nicolás Maduro prometeu, em várias ocasiões, “humanizar as prisões”, quando o país atravessa uma crise económica em precedentes.



FPG // EJ


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário