09 Setembro 2022, 08:10

Tutela acompanha “com preocupação” conflito entre judocas olímpicos e federação

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O secretário de Estado da Juventude e do Desporto disse hoje estar a acompanhar “com preocupação” o conflito entre um grupo de judocas olímpicos e a federação, e apelou para que seja “sanado o mais rápido possível”.

Em declarações à agência Lusa, João Paulo Correia destacou que compete à tutela “promover todos os momentos de diálogo entre as partes” e disse esperar que o choque entre os atletas e a Federação Portuguesa de Judo (FPJ) “não venha a prejudicar a preparação olímpica”.

“Estou a acompanhar com preocupação este conflito, mas ao mesmo tempo a promover o diálogo, se possível, entre as partes, para que seja sanado o mais rápido possível, procurando que não ponha em causa a preparação olímpica da modalidade”, frisou.

Os olímpicos Telma Monteiro, Catarina Costa, Bárbara Timo, Rochele Nunes, Patrícia Sampaio e Anri Egutidze acusaram hoje o presidente da FPJ, Jorge Fernandes, de opressão e apelaram à intervenção da tutela do desporto.

Em carta assinada pelos seis judocas, mais Rodrigo Lopes, num total de sete dos 10 atletas do projeto olímpico da modalidade, são muitas as críticas ao presidente da FPJ, acusado de discriminação e ameaças, no que dizem ser um “clima insustentável e tóxico”.

O governante recusou, no entanto, comentar as acusações dos judocas ao presidente da FPJ, argumentando que “a interpretação” do seu comentário “podia levar a dar por certa a acusação” que é feita.

“Esse tipo de acusações devem ser respondidas pela FPJ. Vivemos num Estado de direito, é um princípio basilar, e enquanto não conhecer as respostas da FPJ às acusações, não queria estar a comentá-las”, sustentou.

Ainda assim, confrontado com a acusação dos atletas de que as bolsas de preparação dos atletas estão a ser geridas pela FPJ, quando deviam ser entregues na totalidade aos atletas, João Paulo Correia admitiu que importa esclarecer se as regras do contrato-programa assinado entre o Governo e o Comité Olímpico Português estão a ser cumpridas.

“A verdade é que o Governo, no contrato-programa que faz com o Comité Olímpico, financia a preparação olímpica. Esse contrato-programa tem regras e importa obviamente esclarecer se essas regras estão a ser cumpridas pela FPJ. Mas as acusações são feitas à FPJ, que é a quem compete responder a essas acusações”, insistiu.

Por isso, João Paulo Correia tem estado “a acompanhar” o caso “no contacto com a FPJ e o COP”, pretendendo, ainda, chegar à fala com um representante dos judocas.

“Estamos a falar nas primeiras horas ainda e o meu objetivo é falar com a federação, com o COP e com o representante dos atletas que subscrevem a carta aberta, pedindo às partes que se sentem à mesa e que cheguem a um entendimento, de forma a que a preparação olímpica da modalidade não saia prejudicada”, concluiu.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário