15 Maio 2022, 07:41

Ucrânia: Alemanha considera injustificável expulsão de diplomatas pela Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Berlim, 25 abr 2022 (Lusa) – O Governo de Berlim considerou hoje injustificável a expulsão de 40 diplomatas alemães da Rússia, comunicada esta segunda-feira por Moscovo.


“Os 40 membros das representações russas na Alemanha que nós expulsámos há três semanas não trabalharam um único dia ao serviço da diplomacia durante a sua permanência na Alemanha”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, num comunicado.


Já em relação aos diplomatas alemães expulsos por Moscovo não há “absolutamente nada” a ser-lhes apontado, defendeu a ministra, considerando assim que a decisão russa “não se justifica de modo algum”.


A Rússia anunciou hoje a expulsão de 40 diplomatas alemães, como medida de retaliação a uma decisão semelhante tomada pela Alemanha na sequência da guerra na Ucrânia.


O embaixador alemão em Moscovo, convocado hoje pelo Governo da Rússia, recebeu a informação de que “40 funcionários das missões diplomáticas alemãs na Rússia foram declarados ‘persona non grata'”, segundo indicou a diplomacia russa em um comunicado de imprensa.


O comunicado salienta que se trata de uma “resposta simétrica”? a uma decisão semelhante e “abertamente hostil” do governo alemão, tomada em 4 de abril.


A ministra do Negócios Estrangeiros da Alemanha afirmou hoje que os diplomatas russos expulsos por Berlim “agiram durante anos e de forma sistemática” contra a liberdade e a coesão da sociedade alemã.


“A sua ação também ameaçou aqueles que aqui procuraram proteção, não podíamos continuar a tolerá-la e também não a toleraremos no futuro”, disse Baerbock.


“Com as expulsões de hoje, a Rússia continua a prejudicar-se a si própria”, acrescentou.


Nas últimas semanas, muitos países europeus, incluindo Alemanha, França, Itália e Espanha, expulsaram dezenas de diplomatas russos.


Moscovo prometeu responder a cada uma dessas medidas e, entretanto, já expulsou da Rússia dezenas de diplomatas ocidentais.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.


A guerra causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,16 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).



MP (CYC) // PJA


Lusa/Fim


 

Sem comentários

deixar um comentário