14 Maio 2022, 15:46

Ucrânia: Autarca de Mariupol diz que pessoas retidas na fábrica Azovstal não têm mantimentos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O presidente da câmara da cidade ucraniana sitiada de Mariupol, Vadym Boichenko, avisou hoje que as pessoas que estão retidas na fábrica siderúrgica Avozstal estão a ficar sem comida e água e não conseguirão resistir por muito mais tempo.

Boichenko descreveu a situação no complexo fabril siderúrgico — que é o último reduto da resistência ucraniana em Mariupol e onde se encontram muitos civis – como “um inferno”.

Esta instalação da época soviética tem uma vasta rede subterrânea de bunkers capazes de resistir a ataques aéreos, mas a situação está a tornar-se cada vez mais difícil após as forças russas terem lançado uma série de ataques com bombas e munições não guiadas.

“Os moradores que conseguem deixar Mariupol dizem que é um inferno, mas quando saem desta fortaleza, dizem que é pior”, explicou Boichenko, acrescentando que a capacidade de resistência das pessoas ainda retidas no complexo fabril apenas poderá durar mais “umas horas”.

Citado pelas agências internacionais, o autarca admitiu ter esperança num possível futuro cessar-fogo que permita que as pessoas que estão dentro da fábrica Avozstal consigam sair em segurança.

A Rússia ofereceu recentemente uma trégua que foi rejeitada pelos ucranianos, que alegaram que Moscovo tinha desrespeitado outros acordos no passado.

Ao chegar na quarta-feira a Kiev, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a prioridade mais imediata no conflito da Ucrânia é criar condições para salvar os civis que se encontram retidos na fábrica metalúrgica Azovstal em Mariupol (leste), sitiada pelo exército russo desde o início da guerra e frequentemente caracterizada como a “cidade mártir”.

Sem comentários

deixar um comentário