14 Maio 2022, 23:41

Ucrânia: BCE prevê inflação elevada nos próximos meses e crescimento lento na zona euro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 28 abr 2022 (Lusa) — O Banco Central Europeu (BCE) disse hoje prever inflação elevada nos próximos meses, ‘puxada’ pelos preços da energia, bem como um crescimento económico mais lento do que o esperado, devido à “sombra negra” da guerra da Ucrânia.


“Quanto às perspetivas de inflação, os aumentos de preços manter-se-ão muito provavelmente elevados nos próximos meses, principalmente devido ao acentuado aumento dos custos da energia”, estimou hoje o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos.


Apresentando o relatório anual do ano passado do banco central perante a comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu, em Bruxelas, Luis de Guindos lembrou que, “após uma retoma no decurso de 2021, a inflação atingiu um máximo de 7,4% em março, contra 5,9% em fevereiro”, desde logo porque “a guerra amplificou o impacto nos preços da energia no consumidor, que aumentaram ainda mais desde o início do conflito e são agora 44% mais elevados do que há um ano”.


“Este aumento dos preços da energia está a reduzir a procura e a aumentar os custos de produção”, acrescentou.


Além disso, “a guerra está também a pesar fortemente na confiança das empresas e dos consumidores, tendo criado novos estrangulamentos, que são exacerbados por dificuldades adicionais na cadeia de abastecimento resultantes de novas medidas pandémicas na Ásia, o que aponta para um crescimento mais lento no período que se avizinha”, elencou Luis de Guindos.


Referindo-se às perspetivas de crescimento, o vice-presidente do BCE contextualizou que “a economia da zona euro começou a recuperar da emergência pandémica e, no final do ano, tinha-se encaminhado para um caminho mais firme de recuperação”, ao chegar aos 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021.


No entanto, “a invasão russa da Ucrânia lançou desde então uma sombra negra sobre o nosso continente”, sendo que “a guerra em curso é, acima de tudo, uma tragédia humana que causa enorme sofrimento, mas está também a afetar a economia, na Europa e fora dela”, admitiu.


Por essa razão, o BCE prevê agora que “a atividade económica continue a crescer este ano, embora a um ritmo mais lento do que o esperado no início do ano” e, tendo também em conta as restrições relacionadas com a pandemia, “é provável que o crescimento da zona euro tenha sido fraco no primeiro trimestre deste ano”, especificou o responsável.


Frisando que “há muitos fatores que complicam as perspetivas de crescimento e inflação e [que] é evidente que a incerteza é elevada”, Luis de Guindos adiantou que, por isso, a política monetária do BCE “é guiada pelos princípios de opcionalidade, gradualismo e flexibilidade”.


Já falando sobre eventuais alterações às taxas de juro, o responsável reiterou o que o BCE tem dito, que só acontecerão “algum tempo depois do fim das compras líquidas e serão graduais”.


“Além disso, dentro do nosso mandato e em condições de stress, usaremos de flexibilidade para assegurar que a política monetária seja transmitida sem problemas em toda a zona euro, tal como fizemos com bons resultados durante o auge da pandemia. Estamos prontos a ajustar todos os nossos instrumentos dentro do nosso mandato, incorporando flexibilidade se tal se justificar, para assegurar que a inflação se estabilize no nosso objetivo de 2% a médio prazo”, concluiu.


As declarações surgem numa altura em que os preços na UE batem máximos devido aos constrangimentos das cadeias de abastecimento e aos problemas no fornecimento energético, acentuados com as tensões geopolíticas da guerra da Ucrânia, desencadeada no final de fevereiro passado.


A inflação é, por estes dias, mais acentuada no que toca aos preços energéticos.



ANE // MSF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário