08 Setembro 2022, 13:45

Ucrânia: Biden apoiará Kiev “pelo tempo que for necessário” e destina mais 772 ME para ajuda

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Presidente norte-americano, Joe Biden, deixou hoje claro que continuará a apoiar a Ucrânia na defesa do seu país “pelo tempo que for necessário”, direcionando mais 775 milhões de dólares (772 milhões de euros) para ajuda militar a Kiev.

Em comunicado, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, sublinhou que Biden está determinado a continuar a ajudar o povo ucraniano a defender-se das investidas russas, num momento em que a guerra se aproxima dos seis meses de duração.

“Como parte desses esforços, de acordo com uma delegação de autoridade do Presidente, hoje autorizo o nosso 19.º levantamento desde setembro de 2021 de armas e equipamentos dos Estados Unidos da América (EUA)”, anunciou Blinken.

Essa ajuda no valor de 775 milhões de dólares “inclui armas, munições e equipamentos adicionais dos estoques do Departamento de Defesa dos EUA, equipamentos esses que as forças da Ucrânia usaram com tanta eficácia para a defesa do seu país”.

Este pacote eleva a assistência dos EUA à Ucrânia para aproximadamente 10,6 mil milhões de dólares (10,5 mil milhões de euros) desde o início do atual executivo, informa a nota.

“A coragem e a força dos militares e povo da Ucrânia são extraordinárias, e os Estados Unidos continuarão a fornecer sistemas e capacidades adicionais para a Ucrânia. Essas capacidades são cuidadosamente calibradas para fazer a maior diferença no campo de batalha e fortalecer a posição da Ucrânia na mesa de negociações”, conclui o comunicado do Departamento de Estado.

Apesar de o comunicado não detalhar o tipo armamento que será enviado para a Ucrânia, dois funcionários do executivo norte-americano, sob a condição de anonimato, indicaram que essa ajuda militar inclui obuses e munições, incluindo mísseis Javelin que os militares ucranianos vêm usando contra as forças invasoras russas, e ‘drones’ portáteis Scan Eagle, que são lançados por uma catapulta e podem ser recuperados.

Esta última ajuda ocorre quando a guerra da Rússia contra a Ucrânia está prestes a atingir a marca de seis meses.

Durante os últimos quatro meses do conflito, a Rússia concentrou-se na região do Donbass, no leste da Ucrânia, em grande parte controlados por separatistas pró-Moscovo.

As forças russas obtiveram alguns ganhos incrementais no leste, mas também foram colocadas na defensiva noutras regiões, à medida que a Ucrânia aumenta os seus ataques, nomeadamente na península ocupada da Crimeia, no Mar Negro.

Nove aviões de guerra russos foram destruídos na semana passada numa base aérea na Crimeia em ataques que destacaram a capacidade dos ucranianos de atacar profundamente atrás das linhas inimigas.

Sem comentários

deixar um comentário