14 Maio 2022, 22:01

Ucrânia: Biden pede mais 31 mil milhões de euros para ajuda a Kiev contra a Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, pediu hoje ao Congresso mais 33 mil milhões de dólares (cerca de 31 mil milhões de euros) para ajudar a Ucrânia a resistir à invasão russa.

Na proposta hoje apresentada – que a Casa Branca quer que sirva para apoiar as necessidades da Ucrânia durante cinco meses — inclui mais de 20 mil milhões de dólares (cerca de 19 mil milhões de euros) em assistência militar a Kiev e para reforço da Defesa dos países vizinhos.

Na iniciativa inclui-se ainda uma verba de 8,5 mil milhões de dólares (cerca de oito mil milhões de euros) em ajuda económica para ajudar a manter em exercício o Governo do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e três mil milhões de dólares (cerca de 2,8 mil milhões de euros) em alimentos e programas humanitários para ajudar civis, incluindo os mais de cinco milhões de refugiados.

O pacote de assistência – que agora segue para votação no Congresso — representa mais do dobro dos 13,6 mil milhões de dólares (cerca de 12,9 mil milhões de euros) inicialmente previstos para a área da Defesa e da ajuda económica para a Ucrânia.

A intenção da Casa Branca é provar que os EUA não esgotaram ainda o esforço para ajudar a Ucrânia a resistir à invasão russa.

“O custo dessa luta não é barato, mas ceder à agressão ficará mais caro. É fundamental que este financiamento seja aprovado o mais rápido possível”, defendeu Biden.

No Congresso dos EUA tem havido um amplo apoio bipartidário para a ajuda à Ucrânia na resistência à invasão russa e a aprovação deste pacote de ajuda parece assegurado.

Contudo, Biden e os democratas também querem que os congressistas aprovem igualmente um pacote de combate contra a pandemia de Covid-19, o que pode levar a minoria republicana a oferecer alguma resistência às ambições políticas da Casa Branca.

Biden também pediu hoje ao Congresso novos poderes para confiscar e redirecionar os ativos dos oligarcas russos.

Na proposta apresentada, incluem-se várias propostas para agilizar e centralizar a aplicação de sanções contra a “cleptocracia” russa, em referência aos colaboradores próximos do Presidente russo, Vladimir Putin.

De acordo com a proposta de Biden, os departamentos de Justiça, Tesouro e Estado trabalharão juntos para compensar os danos causados à Ucrânia com fundos apreendidos a cidadãos russos como parte de sanções por violações de guerra, anticorrupção e controlo de exportações.

A Casa Branca também pediu ao Congresso que crie uma autoridade administrativa especial para apreender bens de oligarcas, para permitir a sua doação à Ucrânia, além de propor a criação de novas medidas sancionatórias que tornem ilegal a posse de dinheiro obtido diretamente a partir de “atividades governamentais corruptas” na Rússia.

Sem comentários

deixar um comentário