13 Agosto 2022, 04:29

Ucrânia: Blinken propôs a Lavrov reunir na Europa na próxima semana

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, anunciou hoje que propôs ao seu homólogo russo, Sergei Lavrov, um encontro, na próxima semana, na Europa, para preparar uma cimeira bilateral sobre a crise na Ucrânia.

Numa intervenção perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas, e antes de viajar para a Conferência de Segurança em Munique (Alemanha), Blinken disse que enviou hoje mesmo uma carta a Lavrov com o convite e acrescentou que os EUA também propuseram reuniões do Conselho NATO-Rússia e do Conselho da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

O chefe da diplomacia norte-americana, que voltou a denunciar que Moscovo está a planear uma iminente invasão da Ucrânia, pediu às autoridades russas para optarem pela via da diplomacia, mostrando-se convicto de que estas reuniões podem servir para reduzir a tensão nas fronteiras da Ucrânia, permitindo obter acordos sobre as preocupações de segurança.

Perante o Conselho de Segurança da ONU, Blinken disse que os planos da Rússia na Ucrânia incluem a apreensão de Kiev e de outros pontos estratégicos neste país, através de bombardeamentos seguidos de uma invasão terrestre, com recurso a tanques e a infantaria.

Sem comentários

deixar um comentário