30 Setembro 2022, 02:16

Ucrânia: Borrell acredita que voto da ONU mostra uma “rejeição” global à Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O alto representante da União Europeia (UE) para a Política Externa afirmou hoje que a votação da ONU sobre uma resolução contra a invasão da Ucrânia pela Rússia demonstra a “rejeição” da campanha militar por parte da comunidade internacional.

“A votação no Conselho de Segurança com uma abstenção significativa da China, Índia e Emirados Árabes Unidos e apenas o veto da Rússia demonstra a rejeição da comunidade internacional” da agressão de Moscovo, disse Josep Borrell, numa mensagem publicada na sua página na rede social Twitter.

O chefe da diplomacia europeia instou “toda a comunidade internacional” a “unir forças” e “ajudar a impedir a invasão russa da Ucrânia”, adotando uma resolução nesse sentido na Assembleia Geral das Nações Unidas.

“A Rússia tem de parar imediatamente a sua agressão militar ou enfrentar o isolamento internacional”, salientou Borrell, noutro comentário na mesma rede social.

A Rússia usou o seu poder de veto na sexta-feira para impedir uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) contra a sua invasão da Ucrânia, um texto que teve o apoio de uma clara maioria do Conselho de Segurança mas do qual se abstiveram três países: China, Índia e Emirados Árabes Unidos.

O documento, que desde o início estava condenado ao fracasso dado que Moscovo podia bloqueá-lo, tinha sido forçado pelos Estados Unidos da América para condenar a intervenção militar russa e exigir a retirada das suas tropas da Ucrânia.

Sem comentários

deixar um comentário