03 Julho 2022, 17:32

Ucrânia: Brasil quer ocupar espaço de Kiev na produção de milho

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 24 mar 2022 (Lusa) – O Brasil, um dos maiores produtores mundiais de cereais, quer ocupar o espaço que a Ucrânia pode deixar no mercado internacional de milho e acredita que tem capacidade para isso, apesar dos muitos desafios que a sua produção ainda enfrenta.


A forte procura e a invasão russa da Ucrânia levaram os preços internacionais do milho ao maior patamar desde 2012, o que está a chamar a atenção dos exportadores brasileiros, segundo fontes do setor ouvidas pela agência espanhola Efe.


A Ucrânia e a Rússia juntas representam entre 16% e 18% do mercado mundial de exportação de milho.


Quanto à Ucrânia, há muitas dúvidas sobre a viabilidade de sua colheita devido à falta de mão de obra, ocupada na defesa ou a fugir de ataques russos, e de suprimentos, como combustível, e também por causa do bloqueio dos seus principais pontos de exportação.


No caso da Rússia, o cerco económico internacional coloca as suas operações comerciais no exterior em sérias dificuldades.


Com esses dois países fora da equação, o mercado olha para a Argentina e o Brasil, segundo e terceiro maiores exportadores de milho do mundo, respetivamente, atrás apenas dos Estados Unidos.


A Ucrânia é a quarto maior produtor de milho, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.


As previsões no Brasil para a segunda safra de milho da temporada são boas, depois de uma primeira que foi afetada por uma seca severa.


A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) do Brasil estima que a produção total do cereal crescerá 29% na safra 2021/22, atingindo 112,3 milhões de toneladas, impulsionada por essa segunda safra.


“Temos condições de produzir um pouco mais e já estamos a plantar mais do que no ano passado”, explicou à Efe o presidente institucional da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), Cesário Ramalho.


“O Brasil tem um potencial de crescimento muito bom e estamos face a uma grande oportunidade. Temos mercado, compradores e área para isso”, acrescentou.


No entanto, existem vários fatores que podem arruinar toda essa expectativa.


Para começar, as previsões meteorológicas não são as melhores e existe a possibilidade de que o fenómeno La Niña dure até junho ou julho.


Nesse contexto, Felippe Serigati, investigador do Centro de Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro), considera que se a segunda safra de milho for boa, servirá principalmente para cobrir os danos da primeira.


Além disso, segundo Ramalho, o Brasil consome 70% de sua produção, pois é o maior exportador mundial de carne e boa parte do seu milho é destinada ao fabrico de ração para suínos e aves.


Mas com os preços e a procura internacional em alta, os produtores locais podem começar a olhar mais para o mercado de exportação, movimento que pode ter impacto no cenário nacional.


“O Brasil tem que estar atento porque precisa muito do milho e há um certo pânico. Essa corrida pelo milho preocupa-me”, disse Ramalho.


Além disso, há um problema de altos custos e dúvidas sobre o fornecimento de fertilizantes, ramo em que a Rússia é um grande produtor mundial.


“O setor de milho vai iniciar o próximo ciclo com custos muito altos e a incerteza de ter acesso a esses insumos de produção”, acrescentou o especialista.


No entanto, Ramalho minimizou a possível falta de fertilizantes devido às sanções contra a Rússia e que mobilizou o governo brasileiro em busca de novos fornecedores.


“Temos terras muito bem adubadas. Podemos plantar um ano com menos e nas terras mais férteis mesmo sem elas”, concluiu.



CYR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário