25 Janeiro 2023, 00:41

Ucrânia: Capacidade do arsenal nuclear russo é dissuasora para o Ocidente – ROSCOSMOS

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, 23 mar 2022 (Lusa) — O arsenal nuclear da Rússia permite destruir qualquer agressor em poucos minutos e deve ajudar a impedir os países ocidentais de intervirem na guerra na Ucrânia, referiu esta quarta-feira o diretor da agência espacial russa (Roscosmos).


Dmitry Rogozin destacou, durante uma entrevista televisiva, que a capacidade nuclear da Rússia inclui armas nucleares táticas e mísseis balísticos intercontinentais.


O responsável da Roscosmos lembrou também a advertência feita pelo Presidente russo, Vladimir Putin, a outros países para que não se intrometam “na ação russa na Ucrânia”.


“A Federação Russa é capaz de destruir fisicamente qualquer agressor ou qualquer grupo agressor em minutos, a qualquer distância”, sublinhou Rogozin.


Vladimir Putin alertou anteriormente o Ocidente que uma tentativa de introduzir uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia levará a um conflito com a Rússia.


Dmitry Rogozin recusou detalhar esta quarta-feira quais ações específicas do Ocidente seriam vistas como uma intromissão no conflito.


Estas declarações surgem numa altura em que os países ocidentais temem que a Rússia possa usar armas nucleares durante a ofensiva na Ucrânia, enquanto as forças russas parecem estar paralisadas, noticia a agência Associated Press (AP).


As autoridades norte-americanas há muito tempo que alertam que a tática militar russa prevê uma opção de “escalar para desescalar”, através do uso de armas nucleares para forçar o inimigo a recuar, quando as forças russas estiverem a enfrentar uma derrota iminente durante os combates convencionais. Moscovo tem negado estes planos.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 977 mortos, dos quais 81 crianças e 1.594 feridos entre a população civil, incluindo 108 menores, e provocou a fuga de mais 10 milhões de pessoas, entre as quais 3,60 milhões para os países vizinhos, indicam os mais recentes dados da ONU.


Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.


 


DMC //RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário