05 Outubro 2022, 17:01

Ucrânia: Cardeal António Marto “implora” pelo fim da “guerra trágica” e “criminosa”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O cardeal António Marto, administrador apostólico da diocese de Leiria-Fátima, condenou esta manhã a “guerra trágica e criminosa” na Ucrânia e “implorou” pelo seu fim, durante uma homília no Santuário de Fátima.

“Imploramos o fim de uma guerra trágica e criminosa” , afirmou António Marto, pedindo um cessar-fogo imediato para que a capital ucrâniana, Kiev, seja “uma cidade aberta”, disse.

O administrador apostólico junta-se ao Papa Francisco e à Comunidade de Santo Egídio na oração por um “cessar-fogo imediato” e renova o convite a fazer do dia 02 de março, um dia de oração e jejum pela paz na Ucrânia, refere uma nota do Santuário.

“Do nosso Santuário manifestamos toda a nossa solidariedade com o povo da Ucrânia que sofre este terrível flagelo, destruidor de um povo. Associamo-nos, desde já com a nossa oração, ao manifesto da Comunidade de Sant’Egídio com a sua proposta de chegar a um imediato cessar-fogo e de proclamar, com urgência, a capital Kiev como ‘cidade aberta’ para salvar três milhões de pessoas e a riqueza do seu património cultural e cristão”, afirmou o cardeal português na homília da missa a que presidiu, este domingo, na Basílica da Santíssima Trindade.

Esta semana a Ucrânia esteve presente nas celebrações do Santuário. Na quinta-feira, dia em que a Rússia invadiu o país, rezou-se o Terço em ucraniano com a comunidade de monges basilianos que vivem e colaboram no Santuário de Fátima, informa o comunicado.

Desde segunda-feira que o Santuário tem uma corrente de oração na recitação do rosário às 12:00, 18:30 e 21:30, correspondendo exatamente a um pedido de António Marto feito no passado domingo.

Acresce à oração, o envio de um apoio financeiro para a ajuda humanitária ao povo ucraniano, através da Cáritas portuguesa.

Partindo da passagem do Evangelho lida nas celebrações deste domingo, nas igrejas de todo o mundo, o cardeal alertou para a tentação de uma atenção particular “aos defeitos dos outros”, negligenciando os próprios.

“Quando vemos os defeitos dos outros à lupa, fazemos da cabeça dum alfinete a cabeça dum gigante e facilmente nos consideramos superiores aos outros e caímos na hipocrisia”, afirmou o cardeal, lamentando que sejamos “bons connosco e severos com os outros”.

“(…)Naturalmente, é de condenar os erros. Mas que a pessoa que erra saiba que, apesar dos seus erros, há alguém que a acolhe e ajuda a recuperar e a refazer a sua vida e abre caminhos de esperança”, disse, ao sublinhar que, de contrário, “potenciam-se a agressividade, os ódios, as discórdias, a violência”.

Sem comentários

deixar um comentário