19 Agosto 2022, 03:24

Ucrânia: China acusa Estados Unidos de alimentarem tensões com expansão da NATO

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nações Unidas, 17 fev 2022 (Lusa) — A China acusou hoje os Estados Unidos, implicitamente, de alimentar as tensões na crise da Ucrânia, o que Pequim atribui aos planos de expansão da NATO, “que vão contra a nossa época”.


“A China acredita que todas as partes envolvidas devem permitir que a razão prevaleça e lutar por um acordo político, abstendo-se de qualquer ação que possa aumentar as tensões ou alimentar a crise”, disse o embaixador chinês na ONU, Zhang Jun, durante uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, destinada a discutir a crise na Ucrânia.


“Nada acontece sem uma razão. O alargamento da NATO é uma questão que não pode ser descurada, face às tensões na Ucrânia. A expansão constante da NATO, na sequência da Guerra Fria, vai contra a nossa época, ou seja, para preservar a segurança comum”, acrescentou o diplomata chinês.


“A segurança regional não pode ser garantida pela expansão de um bloco militar. Isso aplica-se à Europa como a outras regiões do mundo”, disse Zhang Jun.


Referindo-se implicitamente aos Estados Unidos, o diplomata sublinhou que o mundo tem “um país que se recusa a desistir da sua mentalidade da Guerra Fria, que diz uma coisa e faz outra para alcançar a superioridade militar”.


Na opinião do embaixador chinês junto da ONU, essa postura pode ser observada “especialmente na região da Ásia-Pacífico, criando pequenos círculos trilaterais que visam provocar confrontos”.


Os Estados Unidos assinaram recentemente um pacto com a Austrália e o Reino Unido (AUKUS) nessa região.


“Isso só visa criar problemas na região da Ásia-Pacífico e ameaça a estabilidade regional em detrimento dos países que a compõem”, concluiu o embaixador chinês.



RJP // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário