06 Outubro 2022, 17:01

Ucrânia: Construtora automóval Toyota põe fim à produção de veículos na Rússia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Tóquio, 24 set 2022 (Lusa) – O fabricante japonês Toyota Motor anunciou hoje o fim da produção na fábrica russa em São Petersburgo, suspensa há cerca de meio ano, devido a problemas de abastecimento e sanções desencadeadas pela guerra na Ucrânia.


A empresa, líder mundial no fabrico de motores por vendas, suspendeu as operações na única fábrica na Rússia a 04 de março devido à interrupção no fornecimento de materiais e componentes essenciais, mas manteve a força de trabalho no país em tarefas de manutenção em preparação para um possível reinício da produção.


“No entanto, após seis meses, não fomos capazes de retomar as atividades normais e não vemos qualquer indicação de que seremos capazes no futuro”, disse a empresa, numa declaração.


A decisão “não foi tomada de ânimo leve” e agora é preciso rever e reestruturar as operações em Moscovo para “manter uma organização eficaz e continuar a prestar apoio à rede de vendas de modo a continuar a servir os atuais clientes da Toyota e da Lexus na Rússia”, indicou.


A Toyota não só suspendeu a produção de veículos na Rússia em março, cerca de um mês depois da invasão russa da Ucrânia, iniciada a 24 de fevereiro, bem como também as importações para território russo, com impacto em outras atividades no país.


O fabricante de automóveis japonês acrescentou que vai ajudar os trabalhadores, que serão despedidos com a cessação da produção na federação, a encontrar para outros empregos, bem como na reconversão e no bem-estar, incluindo com assistência financeira.


Além da fábrica de São Petersburgo, a Toyota tem 168 pontos de venda e de serviço na Rússia.


A fábrica russa da empresa japonesa tinha capacidade para produzir 100 mil veículos anualmente e fabricava os modelos Rav4 e Camry, destinados principalmente para o mercado interno russo.


Em 2007, a Toyota começou a fabricar veículos na Rússia, onde produziu 80 mil veículos no ano passado.



EJ // EJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário