07 Julho 2022, 02:11

Ucrânia: Costa critica PCP e PEV e afirma que no conflito há um agressor e não dois pesos iguais

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O primeiro-ministro rejeitou hoje a perspetiva “ingénua” de que na guerra entre Rússia e Ucrânia há dois pesos e que Portugal deve ser fiel da balança, contrapondo que a agressão criminosa é da parte russa.

Esta posição de António Costa foi transmitida na parte final da reunião da Comissão Permanente da Assembleia da República, na sequência de intervenções proferidas pela futura líder parlamentar do PCP, Paula Santos, e pela ainda deputada do PEV Mariana Silva sobre a intervenção militar da Rússia na Ucrânia.

“Senhora deputada Paula Santos, senhora deputada Mariana Silva, desculpem a franqueza, mas não sejamos ingénuos, porque não estamos num conflito entre duas partes, não estamos aqui entre duas forças agressoras. Estamos perante um país que estava em paz e que, em violação do Direito Internacional, foi agredido, invadido e que está a ser vítima de uma guerra criminosa”, reagiu o líder do executivo.

Falando no encerramento do debate da Comissão Permanente sobre a agenda do próximo Conselho Europeu, o líder do executivo, ainda em resposta ao PCP e PEV, assumiu que todos “defendem a paz”.

“Mas, efetivamente, a paz não se defende só com manifestações a dizer não à guerra. A paz defende-se também com a dissuasão e, por isso, Portugal cumpre o seu dever de contribuir para a ação dissuasora da aliança defensiva em que está integrado, a NATO”, sustentou.

Por esta via, de acordo com António Costa, procura-se “garantir que, para além da agressão à Ucrânia, não há nenhuma agressão a nenhum país da NATO”.

“Não vamos participar na guerra, mas vamos participar na defesa contra a guerra e a ameaça contra a guerra. Por isso, não podemos dizer que somos fiéis de uma balança onde há dois pesos iguais. Não há dois pesos iguais, senhoras deputadas. Há um país que estava em paz e que quis a paz. E outro país que desencadeou a guerra”, acrescentou.

Sem comentários

deixar um comentário