27 Setembro 2022, 17:51

Ucrânia: EUA e Rússia estabelecem primeiro contacto formal desde invasão russa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, conversou hoje com o secretário do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev, naquele que foi o primeiro contacto formal entre Washington e Moscovo desde a invasão russa da Ucrânia.

“Sullivan disse ao general Patrushev que se a Rússia leva a diplomacia a sério, então Moscovo deve parar de atacar as cidades ucranianas”, disse a Casa Branca, em comunicado.

O assessor do Presidente norte-americano, Joe Biden, também “reiterou a firme e clara oposição dos Estados Unidos da América (EUA) à invasão gratuita e injustificada da Ucrânia pela Rússia”.

Sullivan prometeu “continuar a fazer a Rússia pagar pelas suas ações, apoiar a defesa da soberania e integridade territorial da Ucrânia e fortalecer o flanco oriental da NATO”, acrescentou a Presidência norte-americana.

“Sullivan também avisou o general Patrushev sobre as consequências e implicações de uma possível decisão russa de usar armas químicas ou biológicas na Ucrânia”, concluiu a Casa Branca.

Em fevereiro, o chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, cancelou uma reunião com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, que deveria ter sido realizada no momento em que se iniciou a invasão russa, e que se destinava a discutir o reconhecimento de Moscovo de duas regiões separatistas no leste da Ucrânia.

Desde essa altura, e até à conversa de hoje, os dois países não mantiveram qualquer contacto oficial e os Estados Unidos permitiram que outros países – como França, Alemanha, Turquia ou Israel – tentassem uma mediação do conflito com Moscovo.

Sem comentários

deixar um comentário