12 Agosto 2022, 03:58

Ucrânia: EUA pedem à Rússia desescalada “verificável, crível e significativa”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, pediu hoje, durante uma conversa com o seu homólogo russo Sergei Lavrov, que a Rússia apresente uma desescalada “verificável, crível e significativa” na fronteira ucraniana.

Segundo o porta-voz da diplomacia norte-americana, Ned Price, o governante enfatizou que, embora qualquer nova agressão russa contra a Ucrânia leve a uma resposta transatlântica rápida, severa e unida, o Ocidente continua comprometido com um caminho diplomático.

Na conversa telefónica entre Blinken e Lavrov, o norte-americano salientou que existe uma janela de oportunidade para resolver “pacificamente” a crise naquela região.

Mas Antony Blinken exigiu ao homólogo russo que Moscovo apresente uma desescalada “verificável, crível e significativa” no que diz respeito à concentração militar na fronteira com a Ucrânia.

Já o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, desafiou hoje o seu homólogo norte-americano para um “diálogo pragmático” sobre segurança na Europa.

“Lavrov sublinhou a inadmissibilidade da retórica agressiva usada por Washington e pelos seus aliados mais próximos, pedindo um diálogo pragmático sobre todas as questões levantadas pela Rússia”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, em comunicado.

O chefe da diplomacia russa também sublinhou a necessidade de “continuar o trabalho conjunto” entre Moscovo e Washington para aliviar as tensões.

A conversa telefónica decorreu enquanto Paris, Berlim e a NATO registavam um sinal “positivo”, após o anúncio, hoje, de uma retirada parcial das forças russas posicionadas nas fronteiras da Ucrânia, que há semanas alimentam o receio de uma invasão e posterior conflito militar.

O Presidente russo, Vladimir Putin, assegurou, após uma reunião com o chanceler alemão, Olaf Scholz, que a Rússia não quer uma guerra, enquanto insistiu que a expansão da NATO e as ambições da Ucrânia de aderir à Aliança Atlântica representam uma ameaça ao seu país.

Putin disse ainda estar empenhado em chegar a “um acordo sobre os problemas (…) através da diplomacia”, mas insistindo em que não cederá na exigência de evitar o alargamento da NATO na Europa de Leste.

Sem comentários

deixar um comentário