07 Outubro 2022, 06:10

Ucrânia: Forças armadas dizem ter abatido oito helicópteros russos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



As Forças Armadas da Ucrânia anunciaram hoje terem abatido oito helicópteros russos, três drones e dois mísseis de cruzeiro nas últimas 24 horas.

“Como resultado do trabalho das unidades das Forças de Defesa da Ucrânia na área de Chernobyl, o inimigo perdeu oito helicópteros de combate”, informaram as Forças Armadas, num comunicado publicado na rede social Facebook.

A Força Aérea ucraniana garantiu ainda ter abatido ” três veículos aéreos não tripulados táticos operacionais [também conhecido por drones] e dois mísseis de cruzeiro”, segundo a agência de notícias ucraniana Unian.

“O inimigo não cumpriu as tarefas de derrotar os grupos das Forças Armadas da Ucrânia e atingindo as fronteiras administrativas (…) de Donetsk e Luhansk”, referiu o comunicado.

Na terça-feira, o exército russo ” não realizou operações ofensivas ativas na direção da Polésia”, no norte da Ucrânia, acrescentaram as Forças Armadas.

“Como resultado das ações efetivas das Forças Armadas da Ucrânia, o inimigo sofre perdas significativas em mão de obra e equipamentos e tem problemas com o fornecimento de munição às tropas”, defende-se no comunicado.

De acordo com o Exército ucraniano, as tropas russas estão a bloquear o acesso pelo sul à cidade de Sumy e à cidade de Izium, mas “não têm tido êxito” na ofensivas.

“A pior situação permanece na área de Mariupol, onde o inimigo tenta bloquear a cidade nos subúrbios”, sublinha-se no comunicado das Forças Armadas.

Até agora, “o inimigo perdeu até 40% das unidades que participam da chamada ‘operação’ na Ucrânia”, aponta-se no comunicado, e que “o inimigo está exausto e desmoralizado”.

Por volta da meia-noite (22:00 em Lisboa), navios de guerra russos dispararam mísseis e artilharia na costa marítima ucraniana perto de Tuzla, ao sul de Odessa, disse o assessor do Ministério do Interior ucraniano.

Anton Gerashchenko afirmou que a Rússia queria testar o sistema de defesa costeira da Ucrânia e que não houve tentativa de desembarque de tropas.

Gerashchenko não confirmou se o bombardeamento causou algum dano material ou fez vítimas.

Sem comentários

deixar um comentário