05 Outubro 2022, 11:05

Ucrânia: Guerra ameaça vida e bem-estar de 7,5 milhões de crianças – Unicef

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, Nações Unidas, 26 fev 2022 (Lusa) – A guerra na Ucrânia ameaça a vida e o bem-estar de 7,5 milhões de crianças do país, alertou hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), pedindo que escolas e hospitais sejam poupados aos ataques.


Citada num comunicado da ONU News, a diretora regional da Unicef para a Europa e Ásia Central, Afshan Khan, disse que a Unicef vai trabalhar em conjunto com o Alto Comissariado para os Refugiados e outras agências da ONU para ativar um plano que leve serviços essenciais para as famílias ucranianas.


Nos últimos oito anos, a Unicef tem apoiado as crianças no leste da Ucrânia, fornecendo água potável, assistência médica e educação em zonas afetadas por conflitos.


Segundo Afshan Khan, a procura por produtos de higiene, gás, cobertores e ‘kits’ de primeiros socorros deverá aumentar depois da invasão do território ucraniano pelas tropas russas, na quinta-feira.


A Unicef pede que infraestruturas essenciais, como sistemas de água e saneamento, hospitais e escolas, sejam poupados aos ataques.


A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos 198 mortos, incluindo civis, e mais de 1.100 feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 150.000 deslocados para a Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.


O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.


O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.



ER // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário