15 Maio 2022, 01:41

Ucrânia: Guterres chega a Kiev para encontro com Zelensky após reunião com Putin

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nações Unidas, 27 abr 2022 (Lusa) – O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, chegou hoje a Kiev numa missão de paz que incluirá um encontro com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, após uma reunião com o líder russo, Vladimir Putin, na terça-feira.


A Organização das Nações Unidas (ONU) atribuiu o facto de Guterres ter visitado Moscovo primeiramente a “uma questão logística”, apesar de a ordem das visitas não ter sido do agrado do Presidente ucraniano, com quem Guterres se encontrará na quinta-feira.


“A ordem das visitas foi uma questão de logística. As cartas foram enviadas aos dois Governos a partir de Nova Iorque. A Rússia respondeu primeiro e quando a resposta da Ucrânia chegou, agendamos esta visita”, explicou Saviano Andreu, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês).


Guterres entrou na Ucrânia na manhã de hoje através da fronteira com a Polónia e continuou a sua viagem para a capital ucraniana, Kiev, de carro, escoltado por seguranças da ONU e militares ucranianos.


Na sua viagem de centenas de quilómetros de automóvel para Kiev, o principal líder da ONU fez duas paragens pelo caminho.


António Guterres não só se encontrará com o Presidente Zelensky e com o seu ministro dos Negócios Estrangeiros Dmytro Kuleba, como também se reunirá com funcionários das agências da ONU para discutir “como otimizar a assistência humanitária ao povo da Ucrânia”, embora, por enquanto, não tenha revelado qual o local em que visitará as equipas no terreno.


Não houve comunicação entre a ONU e o Governo ucraniano após a reclamação de Zelensky sobre o facto de o secretário-geral da ONU ter visitado Moscovo primeiro. O chefe do governo ucraniano lembrou que era o seu país que estava a ser atacado e considerou que não era justo que Guterres se encontrasse primeiro com Putin.


O porta-voz do OCHA explicou à agência espanhola EFE que a viagem aos dois países é “uma missão de paz”. A ONU, disse Saviano Andreu, está a trabalhar para que “o terror e o horror nas áreas que estão a ser bombardeadas acabem o mais rápido possível” e para que “a ajuda humanitária possa chegar às pessoas que precisam”.


“Há muitas zonas da Ucrânia às quais podemos chegar, por exemplo a Mariupol ou a Kherson. É urgente que se consiga um acordo para corredores humanitários e que as pessoas que o necessitem possam ser evacuadas”, disse o porta-voz do braço humanitário da ONU.


“A guerra causou um número de mortes, de pessoas deslocadas e de nível de sofrimento humano inimaginável. Temos 25% da população da Ucrânia que precisa de ajuda humanitária por causa da guerra”, acrescentou Saviano Abreu.


Segundo afirmou, após os “acordos de Moscovo”, a ONU já se está a preparar e a coordenar para que essas evacuações e a entrada de bens alimentares sejam possíveis e ocorram o mais rápido possível, esperando que as reuniões de quinta-feira na Ucrânia possam dar mais frutos.


O presidente russo, Vladimir Putin, admitiu na terça-feira que a situação na cidade ucraniana de Mariupol, brutalmente sitiada há semanas pelo exército russo, é “trágica”.


Guterres propôs a criação de um Grupo de Contacto com a Rússia e a Ucrânia para “procurar possibilidades de abrir corredores humanitários seguros, com um cessar-fogo para garantir que sejam realmente eficazes” nas áreas da Ucrânia mais afetadas pelos combates.


Esta é a primeira viagem de Guterres aos dois países desde meados de fevereiro, quando a Rússia lançou uma guerra na Ucrânia, provocando o maior movimento de refugiados da Europa em décadas.


A ONU como um todo foi questionada durante a guerra na Ucrânia pela sua incapacidade de detê-la ou mesmo de conseguir uma trégua ou um acordo por “corredores humanitários”, principalmente devido ao poder de veto que a Rússia tem no Conselho de Segurança como um dos seus membros permanentes.



MYMM // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário