15 Maio 2022, 09:46

Ucrânia: Guterres seria “sempre preso por ter cão” e “por não ter”, diz Marcelo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Presidente da República defendeu hoje o secretário-geral das Nações Unidas relativamente a críticas à sua deslocação a Moscovo e a Kiev, argumentando que Guterres seria “sempre preso por ter cão” e “por não ter”.

“Como em tudo na vida, há dois pontos de vista. Um ponto de vista é dizer” que António Guterres “devia ir primeiro à Ucrânia, para ver o que se passa, e só depois ir a Moscovo”, mas, aí, “a última palavra pertencia a Moscovo”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o outro ponto de vista, acrescentou o Presidente da República, o secretário-geral das Nações Unidas poderia “começar por Moscovo e ouvir as razões, ou não razões” da Rússia, ou seja, “o ponto de vista russo e depois olhar para aquilo que se passou e a última palavra ser ucraniana”.

“Portanto, era sempre preso por ter cão e preso por não ter”, sendo que António Guterres “optou por dar a última palavra à Ucrânia”, pelo que “não podia começar pela Ucrânia, ir a Moscovo e voltar à Ucrânia”, realçou o Chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante a visita que está hoje a efetuar à feira agropecuária Ovibeja, a decorrer em Beja, tendo sido questionado quanto às críticas feitas ao secretário-geral das Nações Unidas pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelenksy.

No sábado, Zelensky considerou “ilógica” a decisão de Guterres de se deslocar a Moscovo dois dias antes de ir a Kiev.

Segundo o Presidente da República portuguesa, “o importante é que o presidente Zelensky tenha aceitado receber o secretário-geral António Guterres depois de ele ir a Moscovo”.

“O essencial é que o presidente Zelensky não vai deixar de estar com António Guterres” e espera-se “que isso possa ser um passo importante para que não estejamos perante uma guerra de meses, mas sim uma guerra de semanas”, acrescentou.

Sem comentários

deixar um comentário