25 Setembro 2022, 06:36

Ucrânia: Kiev divulga dados de 1.600 soldados russos ativos em Busha

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Os serviços de informações militares ucranianos divulgaram hoje na Internet os dados pessoais de 1.600 soldados russos – incluindo nome e sobrenome, data de nascimento e patente militar – integrados nas tropas que atuaram em Busha, perto de Kiev.

A lista corresponde aos soldados da 64.ª Brigada Motorizada Independente do Exército Russo, que terá estado implicada no alegado massacre de civis naquela cidade.

A divulgação desta lista, através do ‘site’ do Governo ucraniano, segue-se à publicação, no domingo, da identificação das 13 unidades militares russas, feita por um assessor do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, através da sua conta na rede social Facebook.

O Kremlin rejeitou categoricamente a participação dos seus soldados nesses supostos massacres.

Os serviços funerários de Busha afirmam ter localizado e enterrado cerca de 340 corpos de civis encontrados nas ruas da cidade.

Busha foi sitiada por tropas russas durante semanas e, após a sua libertação, centenas de corpos foram descobertos nas ruas, alguns deles com as mãos amarradas nas costas.

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) alega ter indícios de que o Exército russo cometeu possíveis crimes de guerra nas áreas sob seu controlo, incluindo execuções sumárias de civis.

A comunidade internacional condenou o massacre e pediu a investigação da existência de crimes de guerra.

A União Europeia anunciou que irá “com urgência” preparar novas sanções contra a Rússia, após estas “atrocidades”, que condena nos “termos mais fortes”, cometidas pelas forças armadas russas em várias cidades ucranianas ocupadas e que já foram libertadas.

Sem comentários

deixar um comentário