14 Maio 2022, 21:46

Ucrânia: Kiev diz ter identificado “mais de 8 mil” alegados crimes de guerra

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

Investigadores ucranianos identificaram “mais de 8 mil casos” de alegados crimes de guerra desde o início da invasão russa, revelou hoje a procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova.

“Trata-se, na verdade, de 8.600 casos envolvendo apenas crimes de guerra e mais de 4 mil relacionados” com este tipo de crimes, disse Venediktova em entrevista à emissora de rádio e televisão alemã Deutsche Welle.

Estes alegados crimes incluem “a morte de civis, o bombardeamento de infraestruturas civis, tortura” e “crimes sexuais” relatados no “território ocupado da Ucrânia”, segundo a magistrada.

Também em investigação está “o uso de armas proibidas”, acrescentou a procuradora-geral, detalhando que as investigações estão a ser levadas a cabo por “mais de 8.000” pessoas no terreno.

“Criámos uma equipa de investigação conjunta na plataforma da Eurojust (agência europeia de cooperação judiciária). Outros 14 Estados abriram os seus próprios processos criminais relacionados com a agressão da Federação Russa”, sublinhou.

Os investigadores não podem viajar ainda para várias áreas do leste da Ucrânia, como Mariupol, Donetsk e Luhansk, mas para fazerem o trabalho podem “entrevistar pessoas que foram retiradas destes territórios”, explicou.

Os investigadores usam ainda “as ligações de rádio e áudio dos ocupantes” para identificar possíveis casos, concluiu Venediktova.

Sem comentários

deixar um comentário