09 Dezembro 2022, 23:11

Ucrânia: Lituânia suspende importações de gás russo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Berlim, 02 abr 2022 (Lusa) – O Governo da Lituânia anunciou hoje que suspendeu as importações de gás russo devido ao conflito na Ucrânia, tornando-se no primeiro país europeu a fazê-lo, segundo o ministro da Energia do país, Dainius Kreivys.


O sistema de transmissão de gás da Lituânia funciona sem importações de gás da Rússia desde o início deste mês “em resposta à chantagem russa à Europa e à guerra na Ucrânia”, avançou o Ministério da Energia, em comunicado.


Todas as necessidades de gás da República do Báltico serão agora cobertas a partir do terminal de gás natural liquefeito (GNL) na cidade portuária de Klaipeda, acrescentou a mesma fonte.


De acordo com o operador do terminal, Klaipedos Nafta, serão recebidos três grandes embarques por mês, o que será suficiente para atender à procura de todos os clientes.


Se for necessário, acrescentou o ministério, será possível receber gás através da ligação com a vizinha Letónia e, a partir de 01 de maio, da Polónia.


Kreivys considerou que este é o “ponto de viragem” para a independência energética da Lituânia, acrescentando que é o resultado “de uma política energética coerente de vários anos e decisões de infraestrutura tomadas no momento certo”.


O ministério sublinhou que, dadas as circunstâncias, a exigência de Moscovo de que o gás seja pago em rublos “não faz sentido”, uma vez que a Lituânia deixará de fazer mais encomendas, fornecidas até agora através da Bielorrússia e, portanto, “não pensa em pagar”.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.


A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.


A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.



DF // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário