04 Julho 2022, 06:51

Ucrânia: Macron pede cessar-fogo a Putin e líder russo exige “desmilitarização” de Kiev

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 28 fev 2022 (Lusa) – O Presidente francês, Emmanuel Macron, pediu hoje a Vladimir Putin um cessar-fogo imediato na Ucrânia e condições de segurança para saída de civis de Kiev, enquanto o Presidente russo exigiu a “desmilitarização” do país sob invasão russa.


Segundo comunicado enviado às redações pelo Palácio do Eliseu, Macron terá pedido, durante uma conversa de mais de uma hora, também o fim dos ataques contra civis e zonas residenciais, assim como a preservação de todos as infraestruturas civis. Vladimir Putin terá “confirmado o seu compromisso” perante estas exigências.


Já o Kremlin fez saber também em comunicado de imprensa que Putin declarou ao seu homólogo francês a exigência, como condições para o cessar-fogo, do reconhecimento da Crimeia como território russo, a “desnazificação” do Governo ucraniano e um estatuto neutro para a Ucrânia.


Numa altura em que decorrem conversações entre delegações russas e ucranianas, o Presidente francês propôs ainda a Vladimir Putin que os dois continuem em contacto nos próximos dias de forma “a prevenir o agravamento da situação” e o líder russo terá também concordado.


Nas últimas horas, Macron falou ainda várias vezes com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, elogiando novamente o “sentido de responsabilidade” deste nas negociações com Moscovo.


Após mais um Conselho de Defesa esta manhã no Palácio do Eliseu, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves le Drian, disse, visivelmente emocionado, que as autoridades francesas tinham conseguido por parte dos russos garantias de que os franceses ainda presentes em Kiev podiam abandonar a capital em segurança, por estrada e ferrovia.


“As estradas para sair de Kiev pelo sul não são completamente seguras, mas há hoje uma possibilidade de sair da cidade […] Os russos indicaram que todos os civis podem sair livremente pela autoestrada Kiev-Vasylkiv”, afirmou o ministro, declarando que a França não tem como prestar apoio nestas estradas aos seus cidadãos.


Haverá ainda cerca de 1.000 franceses na Ucrânia, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.


A França decidiu ainda intensificar as sanções aos oligarcas russos, estando a levar a cabo uma investigação interna para apurar os bens imobiliários no país que pertencem à elite russa que apoia Putin.


Esta tarde, Macron vai participar com Olaf Scholz, chanceler alemão, Ursula Van Der Leyen, presidente da Comissão Europeia, e Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, numa reunião com os líderes do Canadá, Estados Unidos, Itália, Japão, Polónia, Roménia e representantes da NATO, de forma a debaterem a invasão da Ucrânia pela Rússia.


Após esta reunião, o chefe de Estado francês vai jantar com os líderes das instituições europeias.


A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.


O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.


O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.


 


CYF // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário