05 Outubro 2022, 17:24

Ucrânia: Maioria dos ucranianos acolhidos estão em casa de amigos ou familiares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A esmagadora maioria dos ucranianos que fugiram da guerra e chegaram a Portugal foram acolhidos em casa de amigos ou familiares que já residiam no País.

“A esmagadora maioria das pessoas que estão a chegar a Portugal estão a ficar instaladas em casa de amigos e de familiares. Até esta situação tínhamos uma comunidade ucraniana de cerca de 28.000 pessoas que se desmultiplicou para acolher amigos e familiares. Grande parte das pessoas estão a ser absorvidas por esta rede informal”, afirmou  Patrícia Gaspar,  secretária de Estado da Administração Interna, à margem da apresentação de um estudo na Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

Portugal concedeu até hoje 11.803 pedidos de proteção temporária a pessoas vindas da Ucrânia em consequência da situação de guerra, segundo a última atualização feita pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Patrícia Gaspar sublinhou que Portugal não tem um número limite para acolher refugiados da Ucrânia, tendo em conta que o país tem “duas dimensões distintas, mas que se complementam”.

“Há a dimensão das capacidades nacionais, das instituições nacionais e formais para fazer este tipo de acolhimento sobretudo em grande parceria com as entidades que normalmente trabalham nesta matéria e temos uma dimensão cívica sem precedentes”, disse, referindo-se aos ucranianos que são acolhidos por familiares e amigos.

Patrícia Gaspar frisou também que muitas destas pessoas que estão a sair da Ucrânia vão querer ficar nos países vizinhos “na esperança que o conflito termine e que possam regressar às suas origens”.

A secretária de Estado disse ainda que o país está “a criar condições para que todos aqueles que queiram vir para Portugal o possam fazer em condições de dignidade, possam ser bem acolhidos e integrados e consigam regularizar rapidamente a situação”.

“Isto é uma situação absolutamente excecional. Estamos a viver um conflito bélico, armado, em plena Europa. Este será provavelmente o maior êxodo que temos nos últimos tempos”, disse.

Segundo Patrícia Gaspar, são idosos, crianças e mulheres os ucranianos que têm sido acolhidos em Portugal.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário