04 Dezembro 2022, 17:18

Ucrânia: Militares encontram corpos torturados após retirada dos arredores de Kiev

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Kiev, 03 abr 2022 (Lusa) — As tropas da Ucrânia encontraram corpos com sinais de tortura, mãos atadas e ferimentos de bala, após os soldados russos terem saído dos arredores de Kiev, indicaram hoje as autoridades.


Citadas pela agência Associated Press (AP), as autoridades revelaram estar a documentar as evidências dos alegados crimes de guerra.


O conselheiro do Presidente ucraniano Oleksiy Arestovych disse que dezenas de moradores foram encontrados mortos nas ruas de Busha e nos subúrbios de Kiev, no que classificou como uma “cena de um filme de terror”.


Algumas pessoas foram amarradas e baleadas na cabeça e os corpos mostram sinais de tortura, referiu Arestovych, notando que existem relatos de violações.


“O que aconteceu em Busha e noutros subúrbios de Kiev só pode ser descrito como um genocídio”, considerou o presidente da Câmara de Kiev, Vitali Klitschko, em declarações ao jornal alemão Bild, apelando ao fim das importações de gás russo.


Para o governante, “nem um centavo” deveria ser dado à Rússia, uma vez que esse dinheiro servirá para financiar um massacre.


O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, por sua vez, já tinha pedido o reforço das sanções contra Moscovo, como o fim da importação de energia.


“O massacre em Busha foi deliberado […]. Os russos pretendem eliminar o maior número possível de ucranianos”, apontou, através de uma publicação na rede social Twitter.


No mesmo sentido, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, condenou “as atrocidades cometidas pelo exército russo” e prometeu que a União Europeia (UE) vai aplicar mais sanções àquele país.


Os ministros das Relações Externas da França, Alemanha, Itália e Reino Unido também se insurgiram contra os ataques, garantindo que a Rússia vai ser responsabilizada.


“Não vamos permitir que a Rússia encubra o seu envolvimento nessas atrocidades, através da desinformação, e garantimos que essa realidade vai ser exposta”, disse a secretária das Relações Externas do Reino Unido, Liz Truss.


Em Mariupol, cidade portuária localizada junto ao Mar de Azov, que se tornou alvo das tropas russas na Ucrânia devido à sua posição estratégica, estima-se que cerca de 100.000 civis estejam presos e com acesso limitado aos cuidados básicos.


A Cruz Vermelha disse esperar que uma equipa de nove funcionários e três veículos chegue hoje a Mariupol, ressalvando que “a situação no terreno é muito volátil”.


De acordo com as autoridades, a Rússia concordou com a criação de corredores seguros na cidade, embora já tenha quebrado acordos semelhantes.


O presidente da Câmara de Chernigiv, Vladyslav Atroshenko, precisou que os ataques da Rússia já destruíram 70% da cidade.


“As pessoas pensam em como podem sobreviver até ao dia seguinte”, notou.


Esta manhã, as forças russas lançaram mísseis no porto de Odessa, Sul da Ucrânia, em direção a uma unidade de processamento de petróleo e a depósitos de combustíveis.


Por sua vez, o governador regional de Kharkiv referiu hoje que a artilharia e os tanques russos já efetuaram, nas últimas 24 horas, mais de 20 ataques a esta cidade.


O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou o seu homólogo russo de cometer “um genocídio” com a invasão da Ucrânia.


“Sim, é um genocídio. A eliminação de toda a nação. Nós temos mais de 100 nacionalidades. Trata-se de destruir e exterminar todas essas nacionalidades”, afirmou Zelensky, em declarações ao canal americano CBS.


A Ucrânia já tinha acusado a Rússia de cometer um “massacre deliberado” em Busha, uma cidade no noroeste de Kiev, e outros “horrores” nas regiões que, entretanto, foram libertadas.


“Isto está a acontecer na Europa e no século XXI”, reiterou, sublinhando que “toda a nação está a ser torturada”.


O negociador russo, Vladimir Medinksy, já referiu ser muito cedo para falar de um encontro entre os dois líderes.


A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.


A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.


A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.



PE // JPS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário