29 Junho 2022, 23:20

Ucrânia: Negociações entre Moscovo e Kiev “estão a derrapar” – Lavrov

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, 22 abr 2022 (Lusa) — As negociações entre a Rússia e a Ucrânia para encontrar uma solução para a guerra “estão a derrapar”, não tendo até agora produzido qualquer progresso visível, declarou hoje o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov.


“Elas estão a derrapar, pois uma proposta que apresentámos aos negociadores ucranianos há cinco dias, e que foi elaborada tendo em conta os comentários deles, continua sem resposta”, declarou Lavrov numa conferência de imprensa em Moscovo com o seu homólogo cazaque, Mukhtar Tleuberdi.


A equipa negocial ucraniana disse nunca ter recebido qualquer proposta russa e acusa Moscovo de mais uma manobra de desinformação para manipular a opinião pública.


Na mesma ocasião, o MNE russo disse igualmente ter dúvidas quanto à vontade dos dirigentes ucranianos de prosseguir as negociações.


“É muito estranho para mim ouvir todos os dias declarações (…), inclusive do Presidente [ucraniano] e dos seus conselheiros, que dão a impressão de que não precisam destas negociações para nada”, observou Lavrov, sem especificar exatamente a que declarações se referia.


O chefe da delegação negocial russa, Vladimir Medinski, indicou também que hoje decorreu uma nova sessão de conversações.


Na semana passada, Kiev assegurou que as negociações com Moscovo estavam a ser “extremamente difíceis”.


Entretanto, no terreno, os combates prosseguem, em particular no leste da Ucrânia e na grande cidade portuária de Mariupol, no sudeste do país, desde o início de março cercada pelo exército russo e onde as forças ucranianas controlam ainda o enorme complexo industrial siderúrgico de Azovstal, onde se encontram refugiados milhares de civis.


A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que a classificou como a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).


Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.


A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 58.º dia, já matou mais de 2.000 civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito mais elevado.



ANC // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário