10 Dezembro 2022, 05:48

Ucrânia: Novas acusações de tortura e avisos de aumento dos ataques russos a alvos civis

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



As autoridades ucranianas apresentaram imagens de outra localidade libertada onde soldados russos alegadamente torturaram civis, e hoje o Ministério da Defesa britânico avisou que, com derrotas no campo de batalha, podem aumentar os ataques a alvos civis.

Num comunicado divulgado online, os procuradores da região de Karkiv disseram ter encontrado uma cave onde as forças russas alegadamente torturaram prisioneiros na aldeia de Kozacha Lopan, perto da fronteira com a Rússia, antes de retirarem.

As imagens divulgadas mostram um telefone de rádio militar russo TA-57 com fios adicionais e clipes a ele ligados, aparelhos da era soviética que as autoridades ucranianas afirmam que as forças russas usam como fonte de energia para eletrocutar prisioneiros durante interrogatórios.

O Ministério da Defesa britânico avisou, entretanto, que a Rússia provavelmente aumentará os seus ataques a alvos civis, uma vez que sofre derrotas no campo de batalha, e as autoridades ucranianas relataram bombardeamentos russos esta noite a atingir cidades de uma vasta extensão da Ucrânia.

“Nos últimos sete dias, a Rússia aumentou a sua mira em infraestruturas civis, mesmo onde provavelmente não vê nenhum efeito militar imediato”, disse o ministério num ‘briefing’ online.

“À medida que enfrenta contratempos nas linhas da frente, a Rússia provavelmente estendeu os locais que está disposta a atacar numa tentativa de minar diretamente a moral do povo e do governo ucranianos.”

No sábado, um ataque russo matou quatro médicos que tentaram evacuar um hospital psiquiátrico na aldeia de Strelecha, região de Karkiv, disse o governador Oleh Syniehubov, e dois pacientes ficaram feridos.

Perto da cidade de Zaporijia, o comboio de veículos em que seguia o cardeal do Vaticano Konrad Krajewski ficou debaixo de fogo no sábado, enquanto descarregavam mantimentos, informou o serviço de notícias do Vaticano, forçando-os a procurar cobertura.

“Pela primeira vez na minha vida, não sabia para onde fugir. Porque não basta correr, é preciso saber para onde ir”, disse o cardeal polaco.

Do outro lado da batalha, as forças separatistas que controlam grande parte de Donetsk acusaram hoje os ucranianos de bombardearem uma colónia de prisioneiros de guerra em Olenivka, matando um prisioneiro e feriu quatro.

Mais de 50 prisioneiros de guerra foram mortos num ataque de julho à prisão de Olenivka, do qual as autoridades russas e ucranianas se acusam mutuamente.

Sem comentários

deixar um comentário