07 Julho 2022, 01:29

Ucrânia: Número de refugiados ultrapassa 422 mil pessoas – ACNUR

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O número de ucranianos que fugiu do país devido à invasão russa ultrapassa as 422 mil pessoas, às quais se somam mais de 100 mil deslocados internos pelo conflito, informou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A Polónia, a Hungria, a Moldávia e a Roménia são atualmente os principais destinos deste fluxo de refugiados, segundo avançou o ACNUR na sua conta na rede social Twitter.

Tanto o ACNUR como o Governo ucraniano alertaram, na semana passada, para a possibilidade de o número de refugiados poder subir até cinco milhões de pessoas, ou seja, quase um décimo da população da Ucrânia.

Desde o início dos ataques russos, na passada quinta-feira, o alto comissário da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi, tem pedido aos países vizinhos da Ucrânia que “mantenham as suas fronteiras abertas para aqueles que procuram segurança e proteção”.

A porta-voz do ACNUR no Reino Unido, Laura Padoan, indicou, numa declaração também divulgada no Twitter, que a agência da ONU está a verificar informações de que há ucranianos a serem impedidos de embarcar em comboios para fugir da ofensiva russa.

Segundo o Governo ucraniano, desde o início da crise na Crimeia e em Donbass, em 2014, já foram registados 1,5 milhões de deslocados internos no país.

Sem comentários

deixar um comentário